Efe
Efe

Andry Rajoelina, um ex-DJ que chegou ao poder em Madagáscar

Ex-empresário de apenas 34 anos assume presidência apoiado por militares, após embate político com ex-líder

Efe,

17 de março de 2009 | 21h01

Andry Rajoelina, de 34 anos, é um ex-DJ e empresário conhecido como TGV, siglas do trem de alta velocidade francês. Ele foi empossado nesta terça-feira, 17, chefe de um governo transitório em Madagáscar, quase dois meses depois de um embate político com o ex-presidente Marc Ravalomanana.

 

Veja também:

linkMilitares de Madagáscar dão 'plenos poderes' a líder opositor

 

O líder oposicionista nasceu em 1975. Com menos de 20 anos, já organizava shows em Madagáscar e começava a se destacar como DJ, trabalho que realizou até 2000, quando entrou no mundo empresarial. Com negócios relacionados à impressão digital e meios de comunicação, Rajoelina se tornou proprietário das emissoras de rádio e televisão Viva, que o fizeram muito popular. Por sua rápida ascensão, ganhou o apelido de TGV, com o qual foi introduzido na política.

 

Em 12 de dezembro de 2007, com 32 anos e mais de 63% dos votos foi eleito prefeito de Antananarivo, capital de Madagáscar. No país, de 20 milhões de habitantes, quase dois terços da população vivem na pobreza, com menos de US$ 2 por dia, apesar da riqueza natural da ilha.

 

Rajoelina levou a cabo uma política populista, lançou a "Madagáscar jovem" e seguiu seus negócios até que, em dezembro de 2008, as rádios e TV Viva foram fechadas pelo governo, após a transmissão de uma entrevista com o ex-presidente Didier Ratsiraka, antigo rival de Ravalomanana.

 

Depois do episódio, o ex-DJ iniciou uma campanha contra o então presidente, acusando-o de não respeitar a liberdade de expressão prevista na Constituição. Em 31 de janeiro, o jovem empresário se proclamou "à frente dos assuntos do país" e designou um "gabinete de transição", contando com a ajuda do Exército, que nesta terça-feira lhe deu "plenos poderes" para dirigir o país.

Tudo o que sabemos sobre:
MadagáscarAndry Rajoelina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.