Angela Merkel critica prisões secretas da CIA

A chanceler alemã, Angela Merkel, criticou neste sábado a existência de prisões secretas da CIA (agência central de inteligência americana), admitida esta semana pelo presidente George W. Bush, e lembrou que "os fins não justificam os meios"."O uso de tais prisões não está de acordo com o que eu entendo por Estado de Direito", declarou a chefe do Governo alemão, que, em seguida, elogiou o presidente Bush por ter falado da questão."Nem mesmo na luta contra o terrorismo, que pôs nossa sociedade livre diante de desafios até hoje desconhecidos, os fins justificam os meios", acrescentou Merkel.EsforçosA chanceler pediu uma "resposta adequada" ao terrorismo, que não coloque em dúvida "nossos princípios fundamentais".Merkel fez estas declarações após a transferência para a base militar de Guantánamo (Cuba) de 14 presos que estavam detidos em prisões secretas da CIA ao redor do mundo.Bush admitiu esta semana a existência destas prisões em um discurso pronunciado na Casa Branca. Foi durante o pronunciamento que o governante anunciou a mudança dos 14 presos.A chanceler alemã, considerada uma das aliadas políticas do presidente americano, já criticou várias vezes a existência de Guantánamo e, em sua primeira viagem como chanceler aos EUA, em janeiro deste ano, pediu a Bush o fechamento do centro de detenções.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.