Angela Merkel vence eleições na Alemanha

Os resultados de boca-de-urna indicam que a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, conquistou um segundo mandato com o apoio de uma nova maioria de centro-direita no Parlamento. Projeções baseadas nos primeiros resultados das eleições gerais de hoje mostram que a União Democrata Cristã (CDU), legenda da chanceler, e a União Social Cristã (CSU), da Baviera, conquistaram 33,8% dos votos.

AE-DOW JONES, Agencia Estado

27 de setembro de 2009 | 19h16

Esses votos, aliados aos 14,6% do Partido Democratas Livres (FDP), resultam em algo perto de 48% dos total, o que é suficiente para assegurar uma nova coalizão de governo. "Eu estou satisfeita e feliz", disse Merkel. "Os resultados asseguram uma maioria estável. Vamos trabalhar com um governo recém-formado, com o CDU, o CSU e o FDP."

Guido Westerwelle, o líder dos Democratas Livres, disse que seu partido está "pronto para tomar a responsabilidade de governar a Alemanha". Merkel e o líder de seu partido disseram que o corte de impostos está na agenda do novo governo. Westerwelle deve assumir o posto de vice-chanceler e de ministro de Relações Exteriores.

O comparecimento dos eleitores nas eleições de 2009 bateu recorde de baixa. Apenas 72,5% dos 62,2 milhões de alemães com direito a voto decidiram se expressar. Estimativas indicam que o governo de centro-direita terá maioria confortável de 323 assentos na Câmara Baixa de 614 cadeiras. O resultado final deve ser divulgado amanhã de manhã.

O principal adversário de Merkel, o ministro de Relações Exteriores Frank-Walter Steinmeier e seu Partido Social Democrata (SPD) sofreram grandes derrotas, encerrando qualquer possibilidade de manutenção da "grande coalizão" que governou o país nos últimos quatro anos.

O SPD conquistou apenas 23,1% dos votos, o que representa o pior resultado obtido pelo partido, superando o resultado de 1953, quando os social-democratas obtiveram 28,8% dos votos. "Este é um dia amargo para os social-democratas alemães", disse Steinmeier, que atualmente também ocupa o cargo de vice-chanceler.

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõesAlemanha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.