Anistia alerta Geórgia por expulsão de refugiados

A entidade Anistia Internacional pediu na sexta-feira à Geórgia que suspenda a expulsão de refugiados da sua capital, que vem ocorrendo há cerca de um ano.

REUTERS

05 de agosto de 2011 | 09h09

Os refugiados presentes em Tbilisi são resultado de conflitos do começo da década de 1990 nas regiões georgianas rebeldes da Abkházia e Ossétia do Sul, e novamente em 2008, quando Rússia e Geórgia travaram uma guerra de cinco dias.

Embora sejam em geral transferidos para apartamentos de melhor qualidade, muitos afetados pelas remoções se queixam de receberem pouco aviso prévio das mudanças, e de serem obrigados a construírem uma nova vida no interior, longe dos seus meios de subsistência e das redes de solidariedade construídas ao longo de quase duas décadas.

"Em sua iniciativa para esvaziar alojamentos temporários na capital e de oferecerem moradia durável aos deslocados, as autoridades georgianas ignoraram proteções essenciais aos removidos, e privaram muita gente das redes de apoio e subsistência estabelecidas," disse Natalia Nozadze, pesquisadora da Anistia na Geórgia, acrescentando que a prática viola obrigações da Geórgia perante o direito internacional humanitário.

Nenhum responsável do ministério georgiano dos Refugiados foi localizado para comentar.

(Reportagem de Matt Robinson)

Tudo o que sabemos sobre:
GEORGIAANISTIAREFUGIADOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.