Anistia Internacional condena assassinato de jornalista russa

A Anistia Internacional (AI) condenou o assassinato da jornalista russa Ana Politkovskaya, que a organização vincula a seu incansável trabalho de denúncia dos direitos humanos na Chechênia e outras regiões da Rússia.Em comunicado divulgado em Londres, a diretora da AI para a Europa e Ásia Central, Nicola Duckworth, expressa seu "horror" pelo assassinato e diz que "a Rússia perdeu uma corajosa e dedicada defensora dos direitos humanos".Ana Politkovskaya, afirma Duckworth, "se pronunciou sem medo contra a violência e a injustiça e fez campanha incansavelmente a favor de que a justiça fosse feita".A AI também pede às autoridades russas que investiguem "a fundo e de modo imparcial o assassinato", publiquem o resultado das investigações e levem os culpados aos tribunais com base no direito internacional.A organização também pediu ao Governo russo que adote "medidas urgentes para garantir que todos os defensores dos direitos humanos e jornalistas independentes que trabalham na Rússia, incluindo o Cáucaso Norte, possam fazer seu trabalho com segurança e sem medo de que sejam intimidados ou castigados".Politovskaya, assassinada no sábado no prédio onde morava em Moscou, preparava um artigo sobre as torturas sistemáticas na Chechênia, segundo fontes da publicação "Novaya Gazeta", onde trabalhava desde 1999.O "Novaya Gazeta" informou que fará uma investigação independente sobre o assassinato da jornalista, considerada uma das mais críticas com a política do Kremlin na Chechênia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.