Anistia Internacional considera "crimes de guerra" os ataques de Israel em Gaza

A Anistia Internacional (AI) condenou nesta sexta-feira os ataques de Israel cometidos nos últimos dias contra imóveis civis e a infra-estrutura de Gaza, já que, na sua opinião, "violam a norma internacional e são crimes de guerra".Em comunicado divulgado a partir de sua sede em Londres, a organização a favor dos direitos humanos pede que Israel adote "medidas urgentes para remediar o dano causado a longo prazo" no território palestino. Além disso, a AI pede que o governo de Tel Aviv "restaure imediatamente e assuma o custo da provisão de eletricidade e água à população palestina nas zonas afetadas".Na opinião de AI, a destruição "deliberada" de uma central elétrica, pontes e estradas em Gaza é "uma violação da 4ª Convenção de Genebra", que se refere à proteção de civis em tempo de guerra. A Anistia calcula que a destruição terá "conseqüências humanitárias a longo prazo" para 1,5 milhão de pessoas na Faixa de Gaza.Por outro lado, a organização condena o seqüestro de um soldado israelense por parte de grupos armados palestinos, estopim da atual crise no Oriente Médio. Esse ato transgride "os princípios fundamentais da normativa internacional", ressalta a organização, que pede que o militar seja libertado "imediatamente e ileso". A AI lembra que a comunidade internacional, "em virtude das Convenções de Genebra, tem a obrigação de agir".A atual crise no Oriente Médio começou quando militantes palestinos capturaram no domingo passado um soldado israelense. Como resposta, o Exército israelense começou uma grande incursão militar em Gaza, na qual deteve ministros e outros representantes do governo da Autoridade Nacional Palestina, liderado pelo movimento radical islâmico Hamas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.