Anistia Internacional critica abusos em repressão a protestos na Venezuela

Entidade pede mais respeito a direitos individuais e fim de excessos policiais em atos

O Estado de S. Paulo,

01 de abril de 2014 | 16h03

MADRI - A ONG de direitos humanos Anistia Internacional criticou nesta terça-feira, 1, a repressão aos protestos contra o presidente Nicolás Maduro e pediu mais proteção aos direitos civis.

Segundo a Anistia, existe uma dificuldade de identificar responsabilidades em um contexto de polarização política e social como o que vive o país. A ONGl propõe que um plano nacional de direitos humanos leve em conta ainda um controle de armas no país, devido ao alto número de armas ilegais que circulam; muitas delas em mãos de grupos armados pró-governo.

A entidade também pede um fortalecimento do sistema judiciário e que "se proteja o direito de todos os detidos ao devido processo", além de um maior compromisso contra a tortura, pois o relatório relata vários casos de maus tratos contra prisioneiros.

A organização apresenta testemunhos de várias vítimas e familiares de vítimas cujos direitos humanos foram violados durante as manifestações ou durante sua detenção.

As violações de direitos humanos relatadas pela AI abrangem o uso excessiva da força durante os protestos por parte de agentes, "torturas e tratamento degradantes" e ataques contra jornalistas e meios de comunicação.

A organização pede no texto aos líderes políticos do país, incluídos os da oposição, ue enviem um sinal clara e contundente para seus simpatizantes" não cometerem violações dos direitos humanos. / EFE


 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.