Anistia Internacional exige que ONU pressione Israel

A Anistia Internacional afirmou, nesta quinta-feira, que o principal organismo de direitos humanos das Nações Unidas precisa estabelecer como prioridade acabar com os abusos de Israel contra os palestinos. "Vimos uma escalada das violações dos direitos humanos, numa escala sem precedentes, por parte de Israel, nos últimos meses", disse Melinda Ching, representante da Anistia Internacional junto às Nações Unidas, em Genebra.Ching afirmou que o conflito israelense-palestino é um dos principais tópicos a serem abordados pelo grupo sediado em Londres na sessão de seis semanas da Comissão de Direitos Humanos da ONU, que começa na próxima segunda-feira.Ela disse que a Anistia conclama a comissão, formada por 53 países, a condenar "todos os assassinatos de civis desarmados" de ambos os lados do conflito palestino-israelense e que a Autoridade Palestina não deveria escapar de críticas. Judit Arenas, outra representante da Anistia, afirmou: "Estamos levantando o aspecto da reciprocidade aqui. Temos consciência de que as violações de direitos humanos estão vindo de ambas as partes." Mas "a grande maioria" de vidas civis atualmente sob risco é de palestinos, disse Arenas.A Anistia Internacional também exige o envio urgente de monitores internacionais para os territórios ocupados por Israel, afirmou Ching. A organização Human Rights Watch, sediada em Nova York, divulgou uma declaração, apoiando a exigência de monitores internacionais."Uma presença deste tipo poderia melhorar a segurança para os civis e dar à comunidade internacional as provas independentes e confiáveis para determinar se são necessárias mais medidas de proteção", diz a declaração da Human Rights Watch.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.