Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Atta Kenare / AFP
Atta Kenare / AFP

Anistia Internacional pede investigação de presidente eleito do Irã por crimes contra a humanidade

Organização indica que Ebrahim Raisi era membro da 'Comissão da Morte', supostamente responsável pelo desaparecimento forçado e execução extrajudicial de milhares de prisioneiros da oposição em 1988

Redação, O Estado de S.Paulo

19 de junho de 2021 | 08h55

TEERÃ - A Anistia Internacional apelou a uma investigação dos crimes contra a humanidade contra o ultraconservador Ebrahim Raisi, declarado vencedor das eleições presidenciais do Irã no sábado, a quem acusa de uma "espiral de repressão" contra os direitos humanos.

"O fato de Ebrahim Raisi ter chegado à presidência em vez de ser investigado por crimes contra a humanidade, como assassinato, desaparecimento forçado e tortura, é um lembrete sombrio de que a impunidade reina suprema no Irã", disse a organização em um comunicado.

A Anistia indica que Raisi era membro da "Comissão da Morte", supostamente responsável pelo desaparecimento forçado e execução extrajudicial de milhares de prisioneiros da oposição em 1988.

Questionado em 2018 e 2020 sobre este episódio, Raisi negou ter estado envolvido, mas prestou "homenagem" à "ordem" para proceder a este expurgo, dada - segundo ele - pelo aiatolá Khomeini, fundador da República Islâmica.

A Anistia assegurou que "o destino das vítimas e o paradeiro de seus restos mortais têm sido, até agora, sistematicamente ocultados pelas autoridades iranianas."

Esta organização de direitos humanos com sede em Londres disse que Raisi comandou "uma espiral de repressão aos direitos humanos" como chefe da autoridade judicial do Irã nos últimos dois anos.

De acordo com a Anistia, isso levou à prisão de "centenas de dissidentes pacíficos, defensores dos direitos humanos e membros de minorias perseguidas" e também o acusa de "prisão em massa de milhares de manifestantes e o desaparecimento forçado de centenas, além de tortura e maus tratos" durante e após a onda de protestos em novembro de 2019. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.