Anistia Internacional protesta no aniversário de Guantánamo

Cerca de 300 pessoas convocadas pela Anistia Internacional (AI) se reuniram neste sábado em Paris para protestar contra a existência do centro de detenção americano de Guantánamo, no dia em que sua implementação, para receber presos procedentes do conflito no Afeganistão, completou cinco anos.A concentração aconteceu em frente à Estátua da Liberdade da capital francesa, réplica da que fica na baía de Nova York, como uma ironia ao fato de que, segundo o grupo, os EUA não respeitam as liberdades fundamentais.Os manifestantes se vestiram com um uniforme laranja, como osdetidos da prisão.Num manifesto divulgado por ocasião do protesto, a AI destaca que765 presos passaram por essa prisão desde janeiro de 2002 e que, emnovembro, 345 tinham já sido libertados ou transferidos para cercade 20 países.Isso significa que restam 420 presos de cerca de 30 nacionalidades no presídio, segundo a organização de defesa dos direitos humanos.A AI pede o fechamento de Guantánamo "não só porque a violação dos direitos humanos foi constatada freqüentemente, mas também porque simboliza o desprezo dos EUA pelo Direito Internacional no âmbito da ´guerra contra o terrorismo´".A organização afirma que o centro de Guantánamo é a parte visível"de um iceberg de faces sombrias, como as detenções ilimitadas esecretas e o recurso à tortura e aos tratamentos cruéis, desumanos eDegradantes".Uma lista com 93 mil assinaturas que reivindicam o fechamento deGuantánamo foi enviada neste sábado à Embaixada dos EUA em Paris, emboraseus funcionários tenham se negado a receber uma delegação, segundoa AI.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.