Annan chega ao Quênia e defende o diálogo

Kofi Annan, ex-secretário-geral daOrganização das Nações Unidas (ONU), chegou na terça-feira aoQuênia para tentar resolver uma crise política que já provocou650 mortes. Ele conclamou as partes envolvidas a dialogarem erespeitarem o Estado de direito. Apesar da pressão internacional e de milhões de quenianos,o presidente Mwai Kibaki e o líder oposicionista Raila Odingaainda não se reuniram para tentar solucionar a crisedesencadeada pelas suspeitas de fraude na reeleição de Kibaki,em 27 de dezembro. "Nossa mensagem às partes é esta: não pode haver soluçãosem um diálogo genuíno, não [haverá] paz e estabilidade semcooperação, e respeito determinado e sustentado pelo Estado dedireito e os direitos humanos", afirmou. "O Quênia ocupa um lugar muito importante neste continente.Foi um refúgio estável para muitos refugiados e outros, e seriaum desastre se perdermos isso." O presidente de Gana e da União Africana, John Kufuor, jáhavia tentado sem sucesso estabelecer uma mediação antes deAnnan. O ex-secretário, também ganense, terá de superar aprofunda desconfiança entre ambos."A não ser que os chacoalhe e bata a cabeça deles, o senhorAnnan tem pouquíssima influência sobre o presidente Kibaki ousobre o senhor Odinga, ou sobre suas respectivas equipes debajuladores e belicosos míopes", escreveu Macharia Gaitho,colunista do jornal Daily Nation. Diplomatas esperam que Annan, um Nobel da Paz comexperiência em negociações complicadas como de Israel e Darfur,possa levar Odinga e Kibaki para a mesma mesa, possivelmenteconvencendo-os a aceitar algum tipo de compartilhamento depoderes. A onda de violência contém também um componente étnico. Apolícia disse que na terça-feira uma multidão linchou um membroda etnia kikuyu, de Kibaki, incendiando-o dentro de um carro novale do Rift. A polícia, que proibiu manifestações, usou gás lacrimogêneopara dispersar seguidores do governo no centro de Nairóbi,horas antes da chegada de Annan. Executivos saíram correndopelas ruas centrais em busca de abrigo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.