Annan concorrerá à reeleição na ONU

Depois de meses de especulações, o secretário-geral da ONU, Kofi Annan, anunciou hoje que concorrerá à reeleição para um segundo mandato de cinco anos. "Há muito ainda para ser feito para transformar as Nações Unidas - esta organização indispensável - em um efetivo instrumento das necessidades humanas neste novo século, preenchendo as esperanças de paz, desenvolvimento e direitos humanos", afirmou Annan.Na semana passada, o secretário-geral, que é natural de Gana, recebeu um forte apoio do grupo das 53 nações africanas nas Nações Unidas, que conclamou para que ele concorresse e prometeu fazer campanha pela reeleição. "Se me pedem, estou pronto para servir", disse Annan.Com o anúncio de Annan, as duas questões-chave remanescentes são se as nações asiáticas apresentarão um candidato próprio e quem receberá o apoio dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança, que têm direito a veto - Estados Unidos, Rússia, China, Grã-Bretanha e França.Tradicionalmente, o cargo de secretário-geral é mudado a cada 10 anos por região, e agora seria a vez da Ásia propor um candidato. Mas os 10 anos da África foram interrompido depois que os Estados Unidos conseguiram eleger o predecessor de Annan, Boutros Boutros-Ghali, do Egito (considerado politicamente como parte do Oriente Médio), para um segundo termo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.