Annan diz que chegou a acordo com líder sírio

O enviado da ONU para a Síria, Kofi Annan, anunciou ontem ter chegado a um acordo com o ditador Bashar Assad sobre uma nova "abordagem" que proporá aos rebeldes, pretendendo colocar um fim à violenta crise que o país enfrenta há 16 meses. No mesmo dia, a Rússia - que até então defendia o regime de Damasco de sanções - anunciou que não assinará novos contratos de fornecimento de armas ao governo sírio enquanto a situação no país do Oriente Médio não se estabilizar.

DAMASCO, O Estado de S.Paulo

10 de julho de 2012 | 03h08

Annan, que dois dias antes reconheceu o fracasso do seu plano para acabar com o conflito, não deu detalhes sobre o novo acordo. O negociador disse que a reunião com Assad foi "franca" e "construtiva". "Falamos sobre a necessidade de acabar com a violência e sobre os meios para alcançar isso. Chegamos a um acordo sobre uma abordagem, que vou compartilhar com a oposição armada." Ativistas rebeldes afirmam que o número de mortos no conflito passa de 17 mil.

A Rússia afirmou que não vai mais fornecer caças YAK-30 ao regime sírio. "Enquanto a situação da Síria estiver instável, não faremos mais entregas de armas lá", disse Vyacheslav Dzirkaln, do Serviço Federal de Cooperação Técnica Militar russo. / AP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.