Martial Trezzini/AP
Martial Trezzini/AP

Annan diz que renuncia por 'impossibilidade de acordo político'

Diplomata renunciou como enviado especial da ONU à Síria; segundo ele, faltou 'apoio que causa precisava'

Efe,

02 de agosto de 2012 | 17h07

GENEBRA - O diplomata Kofi Annan, que renunciou como enviado especial da ONU para a Síria, disse nesta quinta-feira, 2, que sua decisão se deveu ao fato de ser "impossível" para ele ou "para qualquer outra pessoa" dar os passos necessários que permitam um acordo político que ponha um fim ao conflito no país árabe. "É impossível para mim ou para qualquer outra pessoa convencer o governo e a oposição a dar os passos necessários para abrir um processo político", disse Annan em entrevista coletiva em Genebra, na qual voltou a denunciar a falta de unidade na comunidade internacional para pôr fim a 17 meses de conflito armado.

 

Veja também:

linkAnnan deixa cargo de enviado especial da ONU à Síria

linkPutin considera renúncia de Annan 'grande perda'

som CHACRA: Renúncia de Annan era 'única saída'

 

"Por esta razão, informei ao secretário-geral da ONU (Ban Ki-moon) que não tenho intenção de manter minha missão quando ela terminar, no final de agosto", explicou. Annan disse considerar, no entanto, que a "Síria ainda pode ser salva da pior das calamidades", embora para isso dependa de "a comunidade internacional mostrar a liderança necessária".

 

Apoio

 

"Não recebi todo o apoio que a causa precisava (...). Existem divisões na comunidade internacional, e isso é algo que não facilita a tarefa do mediador", lamentou o ex-secretário-geral da ONU, que assegurou que continuará trabalhando em Genebra até 31 de agosto. Cinco meses após aceitar a missão mediadora por incumbência da ONU e da Liga Árabe, Annan se despediu lendo uma declaração na qual explicou que aceitou assumir "o que alguns chamaram de 'missão impossível', porque era 'um dever sagrado fazer o que pudéssemos para ajudar o povo sírio a encontrar uma solução'".

 

Segundo o diplomata, "a severidade e o custo humanitário do conflito, assim como a excepcional ameaça que representava para a paz e a segurança internacional justificaram os esforços para buscar uma transição política, por mais difícil que fosse o desafio". A crescente militarização de cidades sírias e a falta de unidade da comunidade internacional, representada pela falta de unanimidade no Conselho de Segurança da ONU, são os elementos principais que o levaram a tomar a decisão de renunciar. Annan foi especialmente crítico com os membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU (China, Rússia, EUA, França e Reino Unido), aos quais acusou de "trocar acusações quando era preciso agir".

 

O diplomata afirmou que "o derramamento de sangue continuará" na Síria, e o atribuiu em primeiro lugar "à intransigência do governo sírio", e em segundo lugar "à escalada da campanha militar da oposição, unida à divisão internacional". Além disso, insistiu que seu plano de paz, apresentado em abril, que inclui um cessar-fogo e o estabelecimento de um processo de transição política através de um governo de união nacional, "continua aberto", mas acrescentou que agora o Conselho de Segurança é que terá que assumir sua aplicação.

Tudo o que sabemos sobre:
Primavera ÁrabeKofi AnnanSíriaONU

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.