Annan: Holocausto deve servir de alerta contra racismo

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Kofi Annan, disse nesta sexta-feira que o destino das vítimas do Holocausto deveria servir de lembrança para que o mundo fique atento ao racismo, e mantenha em xeque os "fanáticos" que negam o extermínio dos judeus durante a Segunda Guerra Mundial."O destino das vítimas do Holocausto deveria servir de alerta a todos nós que vivemos em um mundo no qual modernistas e bárbaros estão misturados. Precisamos estar atentos para tentar garantir que coisas assim jamais se repitam", disse Annan a jornalistas depois de reunir-se com sobreviventes do Holocausto em Zurique.O encontro teve como objetivos celebrar o aniversário da libertação dos campos de extermínio nazistas em 27 de janeiro de 1945 e marcar o primeiro "Dia Internacional de Lembrança do Holocausto".Annan também recomendou às pessoas e aos governos do mundo todo que contenham os "fanáticos" que negam o Holocausto, numa referência indireta ao atual presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad. Nos últimos meses, ele qualificou como "mito" o massacre de 6 milhões de judeus durante a Segunda Guerra Mundial, defendeu que Israel fosse "riscado do mapa" e sugeriu aos europeus que cedam território em seu continente para a formação de um Estado judeu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.