Annan pede governo de unidade nacional na Síria, dizem enviados

A Rússia e outras grandes potências disseram ao mediador internacional da crise síria, Kofi Annan, que apoiam sua ideia de um governo de unidade nacional na Síria que incluiria membros do governo e da oposição, mas excluiria aqueles cuja participação minaria os esforços, disseram diplomatas nesta quarta-feira.

REUTERS

27 de junho de 2012 | 21h11

A proposta é um dos principais tópicos que a Rússia, os outros quatro membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU e atores-chave do Oriente Médio discutirão em uma reunião em Genebra no sábado sobre os 16 meses de conflito na Síria, afirmaram à Reuters diplomatas sob condição de anonimato.

"Poderá incluir membros atuais do governo, da oposição e outros, mas teria de excluir aqueles cuja participação ou presença continuada colocaria em risco a credibilidade da transição, ou prejudicaria as perspectivas para a reconciliação e estabilidade", disse um diplomata, resumindo a proposta de Annan.

O diplomata acrescentou que a ideia de excluir certas pessoas se referia claramente ao presidente sírio, Bashar al-Assad, embora a proposta de Annan não diga explicitamente que Assad poderia não fazer parte de um governo de unidade nacional.

(Reportagem de Louis Charbonneau)

Mais conteúdo sobre:
ONUSIRIAANNAN*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.