Annan pede reforma da ONU e cita liderança do Brasil

O secretário-geral das Nações Unidas, Kofi Annan, disse que apóia a reforma do Conselho de Segurança da ONU e defendeu o direito de o Brasil reivindicar um assento no Conselho de Segurança, mas deixou claro que a decisão cabe aos membros do Conselho. Annan afirmou que a reforma do colegiado é uma necessidade, porque o atual desenho já não responde mais às mudanças na geografia mundial. "O Conselho precisa ser mais democrático", afirmou Annan. O secretário-geral acredita que na Assembléia da ONU deste ano, programada para setembro, a reforma do Conselho será tema central.Kofi Annan elogiou as iniciativas brasileiras nas negociações internacionais e afirmou que o Brasil é hoje uma liderança de peso entre os países agrícolas e emergentes. "Só o fato de (o representante comercial dos Estados Unidos, Robert) Zoellick, e do (comissário de Comércio da União Européia), Pascal Lamy, terem vindo de longe para conversar sobre a OMC com o Brasil mostra o papel de liderança do País no G-20", afirmou Annan, referindo-se ao encontro do grupo informal NG-5, que se reuniu em paralelo à 11ª Conferência da ONU sobre Comércio e Desenvolvimento (Unctad). "O Brasil é um país dinâmico, ativo e muito respeitado na cena internacional."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.