Annan pede união dos países contra terrorismo

Lamentando o que ele chamou de "mundo desordenado", o secretário-geral da ONU, Kofi Annan, pediu nesta segunda-feira a cooperação internacional para "derrotar o flagelo do terrorismo" e disse que todos os países precisam se comprometer a negar aos extremistas o financiamento e a existência de áreas seguras em que eles possam operar. "Concordo com o senhor em que o mundo está numa situação problemática", afirmou Annan ao ministro das Relações Exteriores da China, Tang Jiaxuan. "Faz tempo que não vejo o mundo tão confuso assim." Ele disse que o tema do Iraque "veio à tona" na sua reunião com o presidente da China, Jiang Zemin, mas afirmou que nenhum tópico específico foi discutido. Durante uma reunião com Jiang e em declarações feitas posteriormente para jornalistas, Annan abordou o ataque a bomba no sábado à noite na ilha indonésia de Bali, que matou até 200 pessoas, chamando-o de "ato brutal e desumano". "Todos nós acreditamos que há necessidade de cooperação internacional, particularmente quando trata-se de combater o terrorismo, e o que aconteceu na Indonésia sublinha a necessidade de trabalharmos juntos para derrotar o flagelo do terrorismo", disse Annan para Jiang no Grande Saguão do Povo, sede do poder legislativo chinês, no centro de Pequim. A visita de dois dias de Annan à China - onde ele elogiou o recente sucesso econômico e a redução da pobreza - faz parte das suas visitas anuais aos cinco países-membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU. A viagem "não está ligada a nenhum acontecimento atual em particular", afirmou na semana passada o porta-voz Fred Eckhard.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.