Annan sugere força internacional em territórios ocupados

O secretário-geral da ONU, Kofi Annan, defendeu o envio de uma força internacional para os Territórios Ocupados da Palestina. "Está claro que as partes não podem resolver seus problemas sozinhos. Há muita desconfiança e necessitam o envolvimento de uma terceira parte. Por isso apoiamos a visita do secretário de Estado norte-americano, Colin Powell, à região", afirmou Annan. Na avaliação do secretário-geral, uma força internacional poderá trazer a segurança de volta para a população, além de criar a possibilidade para que as negociações de paz sejam retomadas. A idéia de Annan, porém, não agrada ao governo de Ariel Sharon, que chegou a cogitar a criação de zonas tampões entre os povos palestino e israelense. A segurança dessas áreas, porém, seria feita pelos próprios israelenses. Mas para o secretário-geral da ONU, "a fase em que os líderes palestinos e israelenses poderiam decidir o que fazer já acabou", afirmou Annan. LíbanoOutra preocupação de Annan é a ampliação do conflito. "Temo que uma segunda frente seja estabelecida, na fronteira entre o Líbano e Israel", disse. Em sua passagem por Genebra, Annan declarou que o mundo não pode violar os direitos humanos como justificativa para combater o terrorismo. Ele ainda mandou outro recado a Sharon: "Não podemos cair na armadinha de pensar que nosso objetivo é tão vital que até mesmo os piores métodos podem ser utilizados para atingi-lo. Na verdade, ao invés de acabar com o terrorismo, temo que possa encoraja-lo". Annan pediu ainda que o uso de força seja utilizado apenas em situações de auto-defesa ou de acordo com as decisões do Conselho de Segurança.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.