Annan visita Oriente Médio para garantir aplicação do Conselho de Segurança

O secretário-geral da ONU, Kofi Annan, passou algumas horas no Catar, onde se reuniu com as autoridades do emirado, dentro da viagem que realiza pelo Oriente Médio para garantir a aplicação da resolução 1.701 do Conselho de Segurança.A agência oficial de notícias catariana "QNA" informou que Annan se reuniu com o emir do Catar, xeque Hamad bin Khalifa Al-Thani, com quem conversou sobre a colaboração do país com a ONU.A reunião entre Annan e Al-Thani se centrou nos últimos acontecimentos no Oriente Médio, sobretudo no Líbano e nos territórios palestinos.Annan também se encontrou com o ministro de Assuntos Exteriores catariano, Hamad ben Jasem ben Jabr Al-Thani, que anunciou que o país está disposto a enviar entre 200 e 300 soldados para o reforço da Força Interina das Nações Unidas no Líbano (Finul).O secretário-geral da ONU encerrou no domingo uma visita de dois dias ao Irã, onde discutiu o programa nuclear iraniano e a aplicação da resolução 1.701 sobre o fim das hostilidades no Líbano.Annan viajará na terça-feira ao Egito, onde se reunirá com o presidente, Hosni Mubarak, o secretário-geral da Liga Árabe, Amre Moussa, e o ministro de Exteriores egípcio, Ahmed Abul Gheit.O diretor do escritório de informação da ONU no Cairo, Maher Nasser, informou que as conversas de Annan com os responsáveis egípcios se centrarão na aplicação da resolução do Conselho de Segurança e no processo de paz no Oriente Médio.A viagem de Annan pelo Oriente Médio já o levou ao Líbano, Israel, territórios palestinos, Jordânia, Síria e Irã.Governo iraniano diz que visita de Annan foi "positiva" O porta-voz do Governo iraniano, Gholam Hossein Elham, qualificou de "positiva" a visita do secretário-geral das Nações Unidas, Kofi Annan, a Teerã.Elham explicou que Annan se reuniu com as autoridades iranianas para discutir a situação no Oriente Médio e o programa nuclear do país."Annan compartilha a idéia de que o caso nuclear iraniano deve ser resolvido através do diálogo e prefere levar adiante a questão por esse caminho", ressaltou Elham.O porta-voz acrescentou que "o diálogo é o processo que a República Islâmica do Irã aceita" para resolver a polêmica causada pelo programa nuclear do país."Somos partidários do diálogo e buscamos a paz e a segurança duradoura", acrescentou Elham. Segundo o porta-voz, tais objetivos só serão alcançados quando a justiça e o compromisso com a lei forem o modelo para a resolução dos conflitos.Sobre a atual viagem do ex-presidente iraniano Mohammad Khatami aos EUA, Elham explicou que é uma visita "pessoal e privada". "Khatami já fez este tipo de viagens, mas não são viagens oficiais". Além disso, o porta-voz explicou que o convite feito pelo presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, para realizar um debate com o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, se refere a uma discussão entre dos dois "pela televisão", e "não uma conversa telefônica"."O debate não significa uma conversa telefônica. Ahmadinejad anunciou sua disposição a fazer um debate televisionado com a condição de que seja emitido sem censuras", lembrou Elham.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.