Reprodução
Reprodução

Anonymous declara guerra cibernética à Rússia após invasão da Ucrânia

Grupo entende a ação hacker como uma forma de ativismo político e social e ficou conhecido por publicizar uma suposta ação judicial contra o ex-presidente Donald Trump e por divulgar dados da família Bolsonaro

Redação, O Estado de S.Paulo

25 de fevereiro de 2022 | 12h36

O grupo hacker Anonymous declarou em rede social, nesta quinta-feira, 24, que está “oficialmente em guerra cibernética contra o governo russo”. Cerca de 30 minutos depois, o coletivo anunciou que derrubaram o site do canal de RT News, rede de televisão estatal da Rússia - que voltou ao ar ao meio dia desta sexta-feira, 25 - e que as forças armadas russas estavam preparando um bombardeamento em grande escala em Kiev, capital da Ucrânia.

Nesta quinta-feira, 25, o grupo retornou para as redes para afirmar que derrubaram um segundo site russo: do Ministério da Defesa, que ainda permanece fora do ar.

Os impactos da 'guerra cibernética’ passaram a ser comparados com as consequências das guerras tradicionais com o avanço da tecnologia, uma vez que os conflitos virtuais podem afetar diretamente empresas estatais e privadas com roubos de dados e até mesmo perda de dinheiro.

O Anonymous é um coletivo descentralizado que se formou em 2003 que é conhecido por usarem a máscara do soldado britânico que inspirou o protagonista de "V de Vingança". Guiado pelo hackativismo, eles entendem a ação hacker como uma forma de ativismo político e social. Depois de um hiato, o grupo voltou à ativa com a divulgação uma suposta ação judicial contra o ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, acusado por estupro e abuso sexual.

No Brasil, o Anonymous ficou conhecido por divulgar, em 2020, supostos dados do presidente Jair Bolsonaro, de seus filhos e de integrantes do governo brasileiro como a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, e o ministro da Educação, Abraham Weintraub.

Tudo o que sabemos sobre:
AnonymousUcrânia [Europa]Rússia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.