Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Anonymous declara guerra ao EI após ataques em Paris

Em mensagem no Twitter e YouTube, grupo de hackers promete 'perseguir e encontrar' responsáveis pelos atos; neste ano, grupo lançou ofensiva contra jihadistas após ataque ao Chalie Hebdo

O Estado de S. Paulo

16 de novembro de 2015 | 13h21

LONDRES - O coletivo de hackers Anonymous prometeu lançar ataques cibernéticos contra o Estado Islâmico (EI) após os atentados em Paris que mataram 129 pessoas na sexta-feira, de acordo com um vídeo e com tuítes que o grupo publicou na internet (assista abaixo). Depois do anuncio, outros grupos de hacker, como o BinarySec também anunciaram campanhas contra os sites de recrutamento do EI.

No vídeo de dois minutos e meio, um membro do Anonymous usando a icônica máscara do rebelde britânico Guy Fawkes, marca registrada do grupo, disse que os militantes do Estado Islâmico, que assumiu a responsabilidade pelas agressões na França, são "vermes" e que o Anonymous irá caçá-los.

"Esses ataques não podem ficar sem punição", afirma o homem no vídeo, falando em francês. "Anonymous de todo o mundo vão persegui-los. Saibam que vamos encontrá-los", promete o porta-voz. "O povo francês é mais forte do que vocês e vai sair desta atrocidade ainda mais forte."

"Lançaremos a maior operação de todos os tempos contra vocês. Esperem muitos ataques cibernéticos. A guerra está declarada. Preparem-se", afirma o mascarado, sem dar detalhes do que os ataques irão envolver. 

Essa não é a primeira vez que os membros do Anonymous declaram guerra ao EI. Em janeiro, depois do ataque à redação do jornal satírico Charlie Hebdo, o grupo anunciou pelo Twitter a campanha #OpISIS contra os jihadistas.

Desde então, os hackers tiraram do ar pelo menos 149 sites associados ao EI, segundo dados recolhidos pela revista americana Foreign Policy. Além das páginas, foram atacadas mais de 100 mil contas no Twitter e removidos 5900 vídeos de propaganda extremista. / REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
Estado IslâmicoParisFrança

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.