Antes de evento, casal tenta manter naturalidade

William jogou futebol e Kate passou a noite com a família; sobrou para a rainha entreter os [br]convidados em Londres

Flávia Tavares, O Estado de S.Paulo

29 de abril de 2011 | 00h00

O príncipe William e Kate Middleton tentaram até a véspera do casamento manter alguma normalidade em suas vidas - como se isso fosse possível. O príncipe vestiu um short e uma camisa do Aston Villa, seu time do coração, e, a 48 horas da noite de núpcias, foi jogar futebol. Brincou com amigos no parque Battersea, no sul de Londres, por duas horas.

Kate, por sua vez, dirigiu da casa de seus pais até a Clarence House, residência do príncipe Charles, de Camilla Parker Bowles e dos príncipes William e Harry. Lá chegando, descarregou uma caixa do supermercado Tesco, sabe-se lá com o quê dentro, e um buquê de flores, como se, em vez de futura rainha, fosse uma governanta.

Na saída, deixou à vista dos paparazzi um papel onde se lia "Com tanto amor em nossos corações", que a imprensa interpretou como um possível trecho de seus votos na cerimônia de hoje. Aliás, um dos grandes assuntos da véspera do casamento foi justamente a opção de Kate por não incluir a palavra "obediência" em seu discurso. Exatamente como fez Diana, 30 anos atrás.

Ontem pela manhã, um último ensaio foi realizado na Abadia de Westminster e os futuros cônjuges se separaram, para passar suas últimas noites de solteiros distantes. Contrariando os desejos do irmão, Harry, de ir para uma balada na derradeira noite, William decidiu jantar com o pai e a madrasta.

Anfitriã de peso. Sobrou mesmo para a rainha Elizabeth II o papel de anfitriã dos convidados que já estão em Londres. Na noite de ontem, ela ofereceu um jantar para as famílias reais de outros países no hotel Mandarin Oriental. Já Kate passou a noite com a família no hotel Goring, onde, aliás, foi montado um túnel branco para que ninguém veja o vestido da noiva antes do noivo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.