Divulgação
Divulgação

Antes de funeral, família israelense recebe corpo errado para sepultar

Três mulheres morreram em acidente de barco no Chile, mas duas delas tiveram as identificações trocadas

Redação, O Estado de S.Paulo

05 de março de 2019 | 19h12

A família de uma das três israelenses que morreram em um acidente de barco no Chile, há dez dias, afirmou que recebeu o corpo errado para efetuar o sepultamento. De acordo com o relato, a confusão foi percebida momentos antes do início do funeral, que deveria acontecer nesta terça-feira.

A denúncia foi feita para o portal de notícias Times of Israel. O Ministério das Relações Exteriores israelense se desculpou pelo erro em comunicado divulgado nesta terça-feira. De acordo com o órgão, a responsabilidades é dos funcionários chilenos que ficaram encarregados de preparar os corpos para a viagem.

Três mulheres israelenses morreram em um acidente de barco em 23 de fevereiro, quando estavam a bordo de um passeio turístico em um rio no parque nacional Torres del Paine, localizado na Região de Magalhães, ao sul da Patagonia chilena.

Dina Porta, de 71 anos, iria ser enterrada nesta terça-feira, em Rishpon, cidade na região central de Israel, mas os familiares perceberam que o corpo recebido foi o de Galila Biton, de 61, que tinha o funeral previsto para esta quarta-feira, em Nesher, município próximo a Haifa.

Ainda de acordo com o Ministério de Relações Exteriores, o cônsul israelense no Chile verificou as identidades das vítimas junto às famílias antes de selar os caixões. Há suspeita de que funcionários locais responsáveis pelo voo tenham trocado as cédulas de reconhecimento.

A terceira vítima israelense no acidente, o qual feriu outras 12 pessoas, é Dália Ronen, de 76 anos, mãe do embaixador de Israel no Uruguai, Galit Ronen. Ela chegou a ser hospitalizada depois do episódio, mas não resistiu e morreu dias depois./EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.