Antes do referendo, Evo decreta medidas de exceção

Por 60 horas reuniões e viagens ficam proibidas; carros também não poderão circular sem autorização

AE, Agencia Estado

09 de agosto de 2008 | 08h13

Após a recusa de quatro governadores opositores em garantir a tranqüilidade da votação do referendo revogatório de domingo, 10, na Bolívia, o governo boliviano resolveu declarar medidas de exceção no país. Durante 60 horas, a partir deste sábado, 9, estão proibidas manifestações, reuniões partidárias e até espetáculos culturais que causem aglomeração de pessoas. Todos os cidadãos estão proibidos de viajar e os vôos locais serão suspensos. Também não poderão circular carros sem autorização no dia da consulta em que os bolivianos decidirão se o presidente do país, Evo Morales, o vice-presidente, Álvaro Garcia Linera, e oito dos nove governadores - seis deles opositores - permanecem ou não em seus cargos.     Veja também: Equador respalda Morales e rejeita tentativa golpista na Bolívia Bolívia vive crise antes de referendo Igreja e Exército tentam reduzir tensão na Bolívia Impedido de visitar 4 cidades, Evo diz que Bolívia vive ditadura"Os grupos que não acatarem a decisão serão submetidos a sanções e, quando necessário, a polícia será acionada", disse na sexta-feira, 8, o diretor de Comunicações do governo boliviano, Gastón Nuñez. Medidas como essa são relativamente comuns durante processos eleitorais na Bolívia. Pela lei, porém, elas devem ser decretadas pelos governos regionais e costumam ficar em vigência por menos tempo. O aumento das tensões e a recusa dos governadores de departamentos (Estados) opositores, contudo, levou o governo a adotá-las por conta própria. Com a aproximação do referendo, os ataques entre Evo e os líderes da oposição estão mais freqüentes. Grupos críticos ao governo prometem bloquear estradas e queimar urnas para adiar a votação. Os aliados de Evo se dizem prontos para defender o referendo. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
BolíviareferendoEvo Morales

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.