Antigo instrumento musical chinês leiloado por US$ 1 milhão

Uma raríssima cítara chinesa, um gugin, de 1.250 anos, foi leiloada por mais de US$ 1 milhão, estabelecendo um novo recorde de preço para esses instrumentos, segundo informou, hoje, a porta-voz da casa de leilões em Pequim.A venda comprova os preços elevados que estão sendo pagos, na China, por antigüidades, resultado da prosperidade e um crescente interesse pelo passado clássico do país. O gugin de sete cordas foi comprado na quarta-feira por 8,91 milhões de iuanes (US$ 1,07 milhão), no leilão da Jiade Auction Co., segundo a porta-voz Liu Ying.Gugins já foram muito comuns na China e esperava-se que qualquer estudante clássico fosse capaz de tocar um. Anteriormente, o maior preço alcançado por um gugin foi 3,47 milhões de iuanes (US$ 420.000), num leilão no início do ano, segundo Liu Ying. O gugin vendido ontem é chamado Da Sheng Yi Yin, ou Sons Produzidos por Grandes Santos.Um gugin quase idêntico, feito pelo mesmo lutier, está exposto no Museu Palaciano, no ex-palácio imperial de Pequim,Liu disse que o instrumento foi vendido para um colecionador chinês, mas recusou-se a identificá-lo. Além do mais, é ilegal exportar antiguidades.Os colecionadores chineses estão pagando preços que batem nos milhões de dólares por pinturas, porcelanas e outros tesouros em leilões, no continente, e em Hong Kong e Nova York, principalmente. Agências governamentais e museus também estão dando lances por antigüidades no exterior, tentando recuperar tesouros que foram roubados ou vendidos durante um século de guerra e sublevação social. Em dezembro, uma agência chinesa pagou o recorde de US$ 3,6 bilhões para comprar um rolo de pergaminho do século 11 de um museu japonês.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.