Anúncio de bordel Casa Branca irrita diplomatas americanos

Um anúncio de jornal, sob um brasão muito similar ao utilizado pela presidência dos Estados Unidos e adornado por duas bandeiras com listras e estrelas, diz: "Precisa-se de prostitutas" para a Casa Branca. A publicidade, uma das primeiras a sair desde a legalização da prostituição na Nova Zelândia no mês passado, enfureceu a Embaixada americana. Os diplomatas enviaram uma queixa por escrito à "Casa Branca" em questão - um bordel na rua principal de Auckland, a maior cidade do país. "Acreditamos que mostrar o símbolo de um governo nacional em uma anúncio comercial é de enorme mau gosto", disse hoje uma porta-voz da Embaixada dos EUA em Wellington, a capital da Nova Zelândia. A porta-voz, que pediu para não ser identificada, disse que "estamos enviando uma carta ao anunciante, na qual expressamos nossa decepção e desgosto pela escolha deste símbolo". Hoje, o dono do bordel "Casa Branca", Brian Legros, mostrou-se desafiante. "Eles não são os donos da Casa Branca", disse. "Eles devem cuidar dos problemas de seu país e não se preocupar com a Nova Zelândia". De acordo com Legros, que falou por telefone à Associated Press, o bordel, um edifício branco com grandes colunas frontais, tem semelhança com a Casa Branca original. Ele afirmou ter "grande respeito pela Casa Branca situada na Pennsylvania Avenue, pela CIA e pelo resto das coisas dos Estados Unidos...Não estou tentando macular nada."

Agencia Estado,

09 Julho 2003 | 16h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.