Anúncio de possível teste nuclear norte-coreano preocupa Seul

A Coréia do Sul anunciou nesta sexta-feira suapreocupação com a possibilidade de a Coréia do Norte realizar testes nucleares para aumentar sua capacidade de pressão sobre a cúpula de setembro entre os presidentes sul-coreano, Roh Moo-hyun, eamericano, George W. Bush. Um porta-voz do Ministério de Relações Exteriores, citado pela agência de notícias Yonhap, informou que Pyongyang pode estar tentando "chamar a atenção", pouco antes do encontro, agendado parameados de setembro. As fontes comentaram a notícia divulgada na noite de quinta-feira pela rede de televisão americana ABC, sobre supostos preparativosnorte-coreanos para um teste subterrâneo de uma bomba atômica. A rede de televisão citou um funcionário do Departamento de Estado, dizendo que uma agência de inteligência dos EUA detectourecentemente "um movimento suspeito de veículos" num dos locais que os norte-coreanos poderiam usar para testes nucleares. Em fevereiro do ano passado, a Coréia do Norte reconheceu que possuía armas nucleares. Durante alguns meses, manteve o suspense com suas manobras para realizar um teste subterrâneo, que acabou nãoAcontecendo. Em 5 de julho, a Coréia do Norte disparou sete mísseis balísticos de testes, um deles de longo alcance, capaz de atingir o território dos EUA. Além disso, o regime norte-coreano boicota as conversações multilaterais sobre seu arsenal de armas nucleares, das quais participam também Coréia do Sul, Japão, China, Rússia e EUA. "Parece claro que a Coréia do Norte não está interessada nas conversas de seis lados e aposta em negociações bilaterais com os EUA. O problema é que neste momento suas cartas são limitadas",explicou o porta-voz sul-coreano. Segundo o funcionário, um teste atômico daria uma grande força de negociação à Coréia do Norte. Ele também admitiu que o regime comunista pode disparar novos mísseis balísticos. O porta-voz explicou que, enquanto não surgem dados maisconcretos, "o governo da Coréia do Sul vigiará com muita atenção os movimentos do Norte, compartilhando a informação com autoridadesamericanas".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.