Doug Mills/The New York Times
Doug Mills/The New York Times

Anúncio de projeção de vitória de Biden no Arizona mudou o clima na campanha de Trump

A decisão do canal de televisão americano Fox News deixou o presidente furioso e a equipe reclamando; pouco tempo depois, ele começou a lançar calúnias sobre as contagens de votos em outros Estados

Annie Karni e Maggie Haberman, The New York Times

05 de novembro de 2020 | 11h32

WASHINGTON - Com a Flórida parecendo republicana na noite de terça-feira, 3, o presidente Trump e seus conselheiros pensaram que estavam testemunhando uma repetição da noite das eleições de 2016, quando uma vitória no Estado prenunciava uma vitória geral.Dentro da Sala Leste da Casa Branca, o clima era otimista quando centenas de pessoas, incluindo secretários de gabinete, embaixadores e ex-funcionários que permaneceram leais a Trump, se misturaram e comeram sanduíches e batatas fritas.

Autoridades que estavam pessimistas sobre as chances de reeleição do presidente de repente começaram a imaginar mais quatro anos no poder. Essa perspectiva de vitória foi frustrada quando a Fox News deu vitória ao ex-vice-presidente Joe Biden no Arizona às 23h20 (00h20, horário de Brasília), com apenas 73% dos votos contados no Estado.

Trump e conselheiros estouraram com a notícia. Se fosse verdade que o Arizona estava perdido, isso colocaria em dúvida qualquer reivindicação de vitória que o presidente pudesse fazer.

O que se seguiu para Trump foi uma noite de ligações furiosas para governadores republicanos e de conselhos de assessores de campanha que ele ignorou, levando a um relatório presidencial no meio da noite em que ele fez uma sequência imprudente e sem fundamento de comentários sobre o que é processo democrático.

Em pé na Sala Leste às 2h30, ele considerou a eleição uma “fraude”,  alegou que queria parar a contagem de votos e deixar os resultados para a Suprema Corte.

A campanha de Trump sabia que o Arizona poderia ser conquistado, mas a chamada da Fox News para colocá-lo na coluna de Biden foi simbólica, tornando-o o primeiro Estado que parecia ter saído do lote de Estados vencedores de 2016 do presidente.

O governador Doug Ducey, republicano do Arizona, passou a noite inteira ao telefone com funcionários do governo e membros da equipe de campanha, convencido de que ainda havia votos republicanos a serem contados no Estado.

Fox News manteve a decisão

Jason Miller, o conselheiro político de Trump, contestou a precisão da chamada no Twitter e ligou freneticamente para a Fox News, pedindo à rede que se retratasse. Ele não teve sucesso.

Em vez de retirá-lo, a mesa de decisão da Fox News continuou com o anúncio, colocando Arnon Mishkin, o chefe da mesa, no ar para defender a ligação.

Várias horas depois, a Associated Press também deu Arizona como vencida para Biden. (Outras organizações de notícias, incluindo The New York Times e CNN, não se declararam vitoriosas até a tarde de quarta-feira por causa de votos de ausentes que ainda não foram contados.)

Jared Kushner, genro do presidente e conselheiro sênior, também estava em contato com Rupert Murdoch, o dono da Fox News, enquanto a noite avançava. E na manhã de quarta-feira, o gerente de campanha de Trump, Bill Stepien, insistiu que o presidente ganharia o Arizona por 30 mil votos.

Manter o Arizona em jogo foi fundamental para o caminho estreito que a campanha ainda levava à vitória na quarta-feira, junto com Geórgia e Pensilvânia.

Trump passou grande parte da noite de terça e início de quarta-feira assistindo os resultados das eleições na Fox News da residência da Casa Branca, onde se conectou com vários governadores republicanos por telefone.

Em conversas com o governador Greg Abbott do Texas e o governador Ron DeSantis da Flórida, ele perguntou sobre a possibilidade de fraude estar sendo cometida, de acordo com pessoas informadas sobre a ligação.

No Twitter, Ducey insistiu que toda a contagem fosse concluída antes que alguém desse algum vencedor para o Estado.

Zangado e sentindo-se magoado, o presidente e seus assessores assistiram a um breve discurso de Biden em Wilmington, Delaware, projetando uma vitória para si mesmo. “Nós nos sentimos bem onde estamos, realmente nos sentimos”, disse Biden aos apoiadores, que buzinaram em apoio. “Acreditamos que estamos no caminho certo para vencer esta eleição”.

Trump prepara discurso

Enquanto Biden falava, o presidente tuitou pela primeira vez em toda a noite, alegando sem fundamento que os democratas estavam tentando "roubar" a eleição. Em um tweet de acompanhamento, ele disse que também faria comentários. Um pódio com um selo presidencial já havia sido montado na Sala Leste.

Os conselheiros de Trump tentaram persuadi-lo a falar na Sala Leste antes que Biden fizesse seus comentários em Wilmington, mas não tiveram sucesso. Em vez disso, eles se sentaram e observaram enquanto Biden definia o tom da noite.

Então, se passaram horas antes que Trump realmente aparecesse na Sala Leste. No Salão Oval, ele se reuniu com assessores que discutiram como enquadrar a situação da corrida e se ele poderia declarar vitória ou deveria adotar um tom mais sutil.

Ele não escolheu a última abordagem.

“Isso é uma fraude para o público americano”, disse ele a uma multidão de apoiadores às 2h30, em comentários que foram imediatamente criticados até por alguns de seus aliados, como Chris Christie, o ex-governador de Nova Jersey.

O presidente continuou: “Isso é uma vergonha para o nosso país. Estávamos nos preparando para vencer esta eleição. Francamente, vencemos a eleição.”

Enquanto o mapa fechava a campanha de Trump na quarta-feira, com Michigan e Wisconsin sendo vencidos por Biden, o presidente não foi visto em público o dia todo. Um fuzileiro naval que fica de guarda em frente às portas da Ala Oeste quando o presidente está no Salão Oval não foi localizado o dia todo.

Da residência, Trump continuou a fazer telefonemas para apoiadores e amigos ao longo da manhã, parecendo subjugado e um tanto desanimado para algumas pessoas. Fora da Casa Branca, as acusações sobre o que deu errado já haviam começado.

Alguns assessores disseram que Trump frequentemente resistiu aos pedidos de Ronna McDaniel, presidente do Comitê Nacional Republicano, e de Brad Parscale, seu ex-gerente de campanha, e outros para passar mais tempo no Arizona.

Mas eles disseram que ele resistiu em parte porque não gostava de viajar para o oeste e passar a noite na estrada.

Eles e vários outros assessores também tentaram e não conseguiram fazer com que Trump parasse de atacar um filho e herói de guerra favorito do Arizona, o senador John McCain, um republicano a quem o presidente continuou a criticar mesmo após a morte do senador, dois anos atrás.

Também havia dúvidas sobre se a campanha não tivesse gasto tanto dinheiro antes do início da pandemia do coronavírus, ela poderia ter recursos extras para gastar em Estados onde Biden havia vencido ou estava liderando por margens estreitas, como Wisconsin, Michigan e Nevada.

Mas outros defenderam os gastos iniciais de Parscale, que entre outras coisas se concentrou em aumentar a participação do presidente junto aos eleitores latinos, que acabou sendo uma parte fundamental de seu apoio na Flórida.

Família decidiu em questionar a validade dos votos

Na quarta-feira, a família do presidente estava fortemente envolvida nos esforços para questionar a validade das contagens de votos. Trump brincou em um comício que, se perdesse, nunca mais falaria com nenhum de seus filhos adultos.

Kushner estava fazendo ligações, procurando o que ele descreveu como uma figura “semelhante a James Baker” que poderia liderar o esforço legal para disputar as tabulações em diferentes Estados, de acordo com uma pessoa informada sobre as discussões. (Baker liderou o caso de recontagem de sucesso de George W. Bush em 2000.)

O filho mais velho do presidente, Donald Trump Jr., estava trabalhando na sede da campanha na Virgínia. Outro filho, Eric Trump, cuja esposa, Lara, esteve fortemente envolvida em atividades de campanha, falou em uma entrevista coletiva na Filadélfia, ao lado de Rudolph W. Giuliani, o ex-prefeito de Nova York.

“Eles não estão deixando os observadores das urnas assistirem às urnas”, disse Eric Trump, visivelmente irritado, em uma tentativa infundada de lançar dúvidas sobre a contagem das cédulas ainda em andamento na Pensilvânia.

Giuliani, advogado pessoal do presidente, também fez a afirmação infundada de que a eleição na Pensilvânia estava sendo roubada. Ele também lançou a ideia de um “processo nacional” sobre alegações de fraude, mas não estava claro o que isso significava.

Apesar de todas as superstições do presidente e suas tentativas de se cercar da equipe que o ajudou a levá-lo à vitória quatro anos atrás, ele se viu em uma posição muito mais fraca desta vez.

Nas últimas semanas antes do dia da eleição, Kushner reuniu um grupo de pessoas que estiveram envolvidas na primeira campanha de Trump, incluindo a ex-vice-chefe de gabinete da Casa Branca, Katie Walsh, para trabalhar com Miller e outros no semanas finais de gastos com televisão.

Mas na quarta-feira, vários funcionários da Casa Branca e conselheiros externos disseram estar esperançosos, mas não particularmente otimistas, de que os desafios legais de Trump em vários Estados seriam capazes de mudar a trajetória da corrida.

O próprio presidente tuitou uma sugestão de que “um grande número de cédulas rejeitadas secretamente” havia custado a ele Michigan, uma mensagem que o Twitter rapidamente rotulou de enganosa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.