Ao comentar morte de jovem negro, Obama diz já ter sido vítima de racismo

'Já me aconteceu de andar na rua e ouvir o barulho dos carros sendo trancados', diz presidente

O Estado de S. Paulo,

19 de julho de 2013 | 15h29

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, comparou-se nesta sexta-feira, 19, ao adolescente negro da Flórida Trayvon Martin, morto no ano passado pelo vigia branco George Zimmerman. O presidente disse que os afro-americanos sofrem com o veredicto que inocentou o vigia porque ele relembra um peso histórico que não desaparece.

O caso voltou a ter repercussão nacional depois de Zimmernan ter sido absolvido no domingo da acusação de homicídio, após ter alegado legítima defesa. Ele seguiu Trayvon por um condomínio fechado por ter suspeitado do jovem.

"Quando Trayvon foi baleado, eu disse que ele poderia ser meu filho. Foi uma maneira de dizer que ele era eu, 35 anos atrás", disse. "Poucos afro-americanos não tiveram a experiência de ser seguidos numa loja, e isso inclui a mim. Já me aconteceu, antes de ocupar cargos públicos, andar pela rua e ouvir o barulho dos carros sendo trancados."

O presidente ainda defendeu uma revisão nas leis de legítima defesa, apesar de ter dito que a decisão da Corte é soberana.  / AP

Assista, em inglês, a um trecho do discurso de Obama:

Tudo o que sabemos sobre:
Barack Obamaracismo nos EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.