Menahem KAHANA / POOL / AFP
Menahem KAHANA / POOL / AFP

Com visita inédita a Muro, Bolsonaro mira evangélicos e Netanyahu, reeleição

Presidente brasileiro torna-se primeiro líder mundial a ir com um chefe de Estado israelense ao Muro das Lamentações, local sagrado para o judaísmo e situado em território palestino ocupado

Cristiano Dias e Célia Froufe, Enviados Especiais a Jerusalém

01 de abril de 2019 | 11h39
Atualizado 02 de abril de 2019 | 08h39

JERUSALEM - O presidente Jair Bolsonaro fez nesta segunda-feira, 1º, uma visita histórica ao Muro das Lamentações, um dos locais mais sagrados do judaísmo, em Jerusalém Oriental. Em seu segundo dia de viagem a Israel, ele se tornou o primeiro líder a conhecer o lugar acompanhado de um chefe de governo israelense, o primeiro-ministro, Binyamin Netanyahu.

Foi uma decisão ousada. O Muro das Lamentações, localizado na parte oriental de Jerusalém, é reivindicado pelos palestinos e cercado de simbolismo. Os americanos Barack Obama e Donald Trump, por exemplo, visitaram o muro de maneira privada, para evitar confusão.

A ousadia serve tanto a Bolsonaro quanto a Netanyahu, que quiseram passar mensagens diferentes. O israelense busca votos. No domingo, ele coloca o cargo em jogo nas eleições parlamentares, até agora disputadas palmo a palmo contra o ex-comandante das Forças Armadas, o general Benny Gantz. Há dez anos no poder, ele pode se tornar o premiê a governar Israel por mais tempo. 

Envolvido em casos de suborno, fraude e corrupção, correndo o risco de ser indiciado e preso, Netanyahu precisa passar uma imagem positiva na reta final da campanha. Segundo Emmanuel Navon, cientista político da Universidade de Tel-Aviv, Bolsonaro se transformou em uma plataforma política do premiê. “Netanyahu está sabendo usar bem o presidente brasileiro”, disse Navon ao Estado.

Já Bolsonaro precisa do apoio da bancada evangélica para avançar sua agenda no Congresso. Parte dela achou pouco a abertura de um escritório de negócios, sem status diplomático, em Jerusalém, e queria a transferência definitiva da embaixada de Tel-Aviv para a cidade, uma promessa de campanha do presidente. Nesta segunda, Bolsonaro indicou que ainda pretende fazer a mudança. Ele afirmou que tem tempo, pois seu mandato vai até 2022.

Para representantes da bancada evangélica, Bolsonaro ainda vai cumprir a promessa. “É uma questão de prazo. Não tenho dúvida de que ele vai cumprir com sua palavra”, afirmou o deputado Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ). Ele acredita que o presidente tenha encontrado uma solução temporária para lidar com pressões que recebeu em relação à mudança.

O deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) escreveu no Twitter que os jornais “tentam emplacar a retórica” de que o presidente não vai mudar a embaixada para Jerusalém com o objetivo de “desgastá-lo” com os cristãos. “No mundo real, o presidente afirma que vai mudar e muito antes do final de seu mandato”, escreveu o filho de Bolsonaro. 

Apesar do desejo dos evangélicos, é notória a pressão de países árabes, que representam um dos principais importadores da produção de proteína animal brasileira. Além disso, a chancelaria palestina afirmou que contactaria o enviado ao Brasil, Ibrahim Mohamed Khalil Alzeben, por considerar uma “flagrante violação internacional” a abertura do escritório de negócios em Jerusalém (mais informações na página A10). Na visita ao Muro das Lamentações, os jornalistas acompanharam a cerca de 20 metros, em um palco improvisado. Como sempre as mulheres, à direita, separadas dos homens por uma mureta e com a visão prejudicada. 

Na parte final da visita, as duas comitivas entraram em uma sinagoga construída recentemente nos subterrâneos do Muro das Lamentações. Bolsonaro ouviu as explicações de Netanyahu e dos rabinos sobre as tradições judaicas – embora parecesse um pouco desatento. Depois que o presidente assinou o livro de visitantes, ministros e congressistas aproveitaram para tirar uma última selfie. 

Na volta ao Hotel Rei David, Bolsonaro foi surpreendido por um grupo de católicos, que rezaram e cantaram para o presidente. Eram cerca de 30 pessoas que mudaram a rotina de um dos mais tradicionais e luxuosos hotéis de Jerusalém, entoando “Derrama senhor, derrama senhor o seu amor”. Bolsonaro chorou ao agradecer o apoio e subiu para o quarto.

Na manhã de hoje, o presidente tem um encontro com empresários brasileiros e israelenses. À tarde, visita o Museu do Holocausto e planta uma árvore no Bosque das Nações – um gesto simbólico repetido por mais de uma centena de chefes de Estado que visitam Israel. Desta vez, estará sem Netanyahu.

A visita de Bolsonaro a Israel

Bolsonaro embarcou para Israel no último sábado, 30, com o objetivo de estreitar as relações entre o país e o Brasil. Lá, o presidente se deparou com um protesto do Greenpeace contra o desmatamento na Amazônia, em frente ao hotel no qual está hospedado. Ele também condecorou a brigada militar israelense que ajudou no resgate às vítimas de Brumadinho e prometeu decidir sobre uma embaixada brasileira no país até 2022

No domingo, 31, o presidente e a delegação brasileira encerraram o dia com um jantar regado a peixe, filé e vinhos. Bolsonaro deve ficar no país até a próxima quarta-feira, 3, quando embarca para Las Palmas e, de lá, volta para Brasília.  / COLABOROU CAMILA TURTELLI

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.