AP Photo/Christian Bruna
AP Photo/Christian Bruna

Ao menos 13 imigrantes egípcios morrem após discussão com traficantes na Líbia

Criminosos abriram fogo contra egípcios quando esses assassinaram o motorista e alguns seguranças enquanto tentavam escapar dos traficantes. Grupos discutiram em razão do valor cobrado pela viagem

O Estado de S. Paulo

28 Abril 2016 | 12h09

TRÍPOLI - Pelo menos 13 imigrantes egípcios e 3 cidadãos líbios morreram em Bani Walid em razão de uma discussão com o grupo de traficantes que os transportavam em razão do preço cobrado pela viagem, explicaram nesta quinta-feira, 28, fontes de segurança na cidade líbia.

O grupo de egípcios assassinou o motorista e 2 seguranças ao tentar escapar dos traficantes, que abriram fogo e mataram 13 deles e feriram outros 3, em um incidente ocorrido na quarta-feira, explicaram as fontes.

"Segundo nossas primeiras informações, entre 12 e 16 imigrantes egípcios em situação ilegal morreram em confrontos entre grupos de traficantes de pessoas", anunciou o Ministério das Relações Exteriores no Cairo.

O episódio foi condenado pelo enviado especial da ONU para a Líbia, Martin Kobler, que pediu que o fato seja investigado e os culpados, castigados.

A Missão de Apoio na Líbia das Nações Unidas (UNSMIL) divulgou um balanço de 12 egípcios e 3 líbios mortos. Em nota, o responsável pela UNSMIL Martin Kobler "condenou firmemente esses assassinatos". Além disso, pediu às autoridades locais que "trabalhem para que seja realizada uma investigação e para impedir novos assassinatos".

A Líbia é um Estado fracassado, vítima da guerra civil e do caos desde que, em 2011, a comunidade internacional apoiou militarmente a revolta rebelde contra a ditadura de Muamar Kadafi.

Há um mês, três grupos disputam o poder político: um Parlamento reconhecido internacionalmente com sede em Tobruk, um governo considerado rebelde em Trípoli e um gabinete de unidade, nomeado pelo Conselho Presidencial e designado pela ONU, que carece de legitimidade popular.

Junto a eles se situam diferentes grupos islamistas, senhores da guerra, líderes tribais e contrabandistas de armas, petróleo, pessoas e drogas.

Segundo dados de diferentes ONGs e de agências da ONU, mais de 5 mil pessoas perderam a vida em 2015 ao tentar alcançar o litoral europeu desde a Líbia a bordo de embarcações precárias.

Com a chegada da primavera, multiplicou-se o número de imigrantes que pagam grandes quantidades de dinheiro aos traficantes - entre 1,5 mil e 2,5 mil euros por viagem - para tentar alcançar o litoral da Itália. /EFE e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.