REUTERS/Soe Zeya Tun
REUTERS/Soe Zeya Tun

Ao menos 20 rohingyas morrem afogados em travessia de Mianmar para Bangladesh

Nova onda de violência que assola a minoria étnica muçulmana em Mianmar causou cerca de 110 mortes desde o dia 25

O Estado de S.Paulo

31 Agosto 2017 | 11h55

 DACA -  Pelo menos 20 mulheres e crianças da minoria étnica rohingya que fugiam da violência no estado de Rakhine, no oeste de Mianmar, morreram durante a travessia do rio que serve de fronteira natural entre esse país e Bangladesh.

 “Alguns rohingyas que estão em Bangladesh os identificaram como membros da sua comunidade”, indicou o chefe da Guarda de Fronteiras de Bangladesh na região de Teknaf, o tenente-coronel Ariful Islam.

Islam detalhou que, entre as vítimas, 12 eram crianças e oito mulheres e que as suspeitas indicam que elas morreram quando tentavam entrar em Bangladesh, mas afirmou desconhecer se viajavam em uma ou em várias embarcações.

A nova onda de violência que assola os rohingyas em Rakhine causou cerca de 110 mortes desde o dia 25, quando o chamado Exército de Salvação Rohingya de Arakan (ARSA) lançou uma série de ataques contra postos policiais e militares na zona.

A Organização Internacional para as Migrações (OIM), o órgão da ONU para a migração, estima que aproximadamente 18 mil rohingyas fugiram para Bangladesh desde então.

A Agência das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) solicitou que Bangladesh abra suas fronteiras aos rohingyas, mas o governo bengalês continua mandando de volta os que tentam atravessar a fronteira.

Mais de 1 milhão de rohingyas vivem em Rakhine, onde sofrem uma discriminação crescente desde o surto de violência sectária de 2012, que deixou pelo menos 160 mortos e cerca de 120 mil pessoas desta etnia confinadas em 67 acampamentos de deslocados.  /EFE

Mais conteúdo sobre:
Bangladesh [Ásia] Myanmar [Ásia]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.