REUTERS/Juan Carlos Ulate
REUTERS/Juan Carlos Ulate

Ao menos 23 mil pessoas fugiram da Nicarágua para a Costa Rica, diz ONU

Nicaraguenses fogem da violência para o país vizinho desde abril; Segundo a Acnur, são registrados 200 pedidos de asilo por dia

O Estado de S.Paulo

31 Julho 2018 | 10h50

GENEBRA - Ao menos 23 mil nicaraguenses buscaram refúgio na Costa Rica desde o começo da crise política e do aumento da violência na Nicarágua, em abril, quando surgiram os protestos contra o presidente Daniel Ortega. Alguns imigrantes entram no país vizinho clandestinamente, por trilhas na selva. Estima-se que milhares tenham viajado para outros países da América Central, como Honduras e El Salvador. 

A Agência das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) alertou ontem que a crise no país é séria e o fluxo de imigrantes pode aumentar. “Nos últimos meses, o número de pedidos de refúgio apresentados por nicaraguenses na Costa Rica e outros países aumentou de forma exponencial”, declarou ontem o porta-voz do ACNUR, William Spindler, em Genebra. “A Costa Rica recebeu a maioria das solicitações de asilo, mas Panamá, México, Estados Unidos e Espanha também registraram alta, com um avanço significativo em junho”.

Os números regionais não são conhecidos, mas no caso da Costa Rica foram registrados quase 8.000 pedidos de refúgio de cidadãos nicaraguenses desde abril e 15.000 pessoas conseguiram agendar o registro, já que a capacidade do país foi superada, informou o ACNUR. Atualmente, a Costa Rica registra 200 solicitações de refúgio a cada dia, segundo o ACNUR.

Muitas pessoas que fogem da Nicarágua são recebidas por algumas das 150.000 famílias nicaraguenses que já estavam na Costa Rica antes da crise, segundo a ONU. A Costa Rica abriu dois centros de acolhimento, um no norte e outro no sul do país, para lidar com a crise. No total, eles podem acolher 2 mil refugiados. 

Um dos pontos mais críticos é a fronteira por terra, na região de Peñas Blancas, entre a cidade de Rivas, na Nicarágua, e Libéria, na Costa Rica. Ali, centenas de nicaraguenses chegam todos os dias para atravessar para o vizinho, muitas vezes sem os documentos necessários.

As filas no local são enormes, e muitos nicaraguenses demoram dias para conseguir um visto. “Parece que todo mundo quer deixar o país por causa da situação terrível, não há nenhuma garantia de nada”, disse ao jornal La Prensa, da Nicarágua, Loyda Rugama, uma mulher de 35 anos. Ela contou ao jornal que pediu asilo ao Canadá, mas enquanto não obtém resposta preferiu fugir para a Costa Rica. “Tenho meus filhos e não quero que nada aconteça comigo e com eles.”

O líder opositor Cristhian Fajardo, de 37 anos, e sua mulher, María Adilia Peralta, de 30 anos, foram presos na semana quando tentavam cruzar a fronteira por terra. Fajardo foi acusado dos delitos de crime organizado e terrorismo. / AFP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.