Ao menos 25 morrem em combate contra seita ilegal no Quênia

Moradores se revoltaram contra os Mungiki, que são acusados de extorquir os comerciantes locais

EFE

21 de abril de 2009 | 06h59

Pelo menos 25 pessoas morreram esta madrugada em enfrentamentos entre moradores da cidade de Karatina, no centro do Quênia, e membros da seita ilegal Mungiki, informa a imprensa local.

 

Os conflitos começaram quando os moradores da região se revoltaram contra os Mungiki, que são acusados de ameaçar e extorquir os comerciantes locais para conseguir dinheiro e controlar a área, segundo fontes afirmaram.

 

Os membros desta seita enfrentaram os moradores da região que tentavam expulsá-los, o que causou a morte de 25 pessoas, além de outros 10 que ficaram feridos, segundo a Polícia.

 

O grupo, que foi ilegalizado em junho de 2007 e é integrado pelos kikuyus, a comunidade majoritária no Quênia, é conhecido por controlar grande parte do negócio dos "matatus", o principal meio de transporte local.

 

Além disso, são acusados de cometer sangrentos assassinatos e de extorquir as pessoas que vivem nas zonas que eles consideram seus redutos, como a área central do Quênia e alguns subúrbios de Nairóbi.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.