Ao menos 50 morrem depois de beber água contaminada na Somália

Não estava claro como a água foi contaminada ou se o fato tem ligação com a ação de algum grupo militante; outras 150 estão internadas

O Estado de S. Paulo

11 de dezembro de 2014 | 20h35

MOGADISCIO - Ao menos 50 pessoas morreram na Somália depois de beber água contaminada de um poço ao norte de Mogadiscio, informou ontem o vice-comissário do distrito de Yaqshid, Osman Mohamed, ao canal americano CNN. 

Ele explicou que o poço havia acabado de ser construído. Pelo menos outras 150 pessoas que beberam dessa água foram internadas. Hawo Abdi contou à CNN que sua filha de 8 anos estava entre os mortos. 

Enquanto o acesso à água potável tem melhorado nos últimos anos, ainda há grandes e, às vezes, letais problemas em algumas localidades da África, especialmente na Somália - que detém um dos mais baixos índices de acesso à água do mundo. Segundo um relatório das Nações Unidas, 115 pessoas morrem a cada hora na África de doenças ligadas à falta de saneamento, higiene pobre e água contaminada. 

A falta de qualidade da água na Somália, porém, é apenas um dos problemas do país, como lembrou a CNN. Essa nação ainda lida com a violência persistente, ligada principalmente ao grupo militante radical Al-Shabaab. 

Não estava claro como a água foi contaminada ou se o fato tinha ligação com a ação de algum grupo militante. 

Notícias relacionadas
    Tudo o que sabemos sobre:
    Somáliaágua contaminada

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.