Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
AFP PHOTO
AFP PHOTO

Ao menos 50 rebeldes e 17 civis morrem após bombardeios na Província de Hama, na Síria

Insurgentes capturaram recentemente a região do controle das forças do governo; área tem importância estratégica para o presidente Bashar Assad

O Estado de S.Paulo

01 de setembro de 2016 | 10h25

BEIRUTE - Pelo menos 50 combatentes rebeldes e 17 civis morreram no norte da Província de Hama, na Síria, após ataques aéreos atingirem a região, recentemente capturada por insurgentes do controle das forças governamentais, segundo veículos de imprensa locais. Damasco contra-atacou nesta quinta-feira, 1º, em uma área de importância estratégica para o presidente Bashar Assad.

A emissora de televisão estatal síria relatou que a Força Aérea realizou "ataques concentrados" contra o que descreveu como terroristas na área, dizendo que dezenas deles foram eliminados. Dentre os civis mortos durante os bombardeios, havia duas mulheres e uma criança.

Os grupos rebeldes que participaram da ação incluem o jihadista Jund al-Aqsa e facções que lutam sob a bandeira do Exército Sírio Livre.

Entre os mortos está um suposto líder do Exército Al Isa, informou a agência de notícias Sana, acrescentando que a aviação militar bombardeou também os "terroristas" nas regiões de Tibet al Imam, Morek e Suran.

O Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH) relatou que os ataques aéreos tinham como alvo uma rodovia entre a cidade de Al-Latamenah e a Província de Idlib, no noroeste da Síria.

Todas as regiões citadas, alvo das ações, estão sob o domínio das facções rebeldes islamistas desde segunda-feira, quando os insurgentes lançaram uma ofensiva no norte de Hama. / Reuters e EFE

Veja abaixo: Guerra na Síria: o resgate do menino Omran

Tudo o que sabemos sobre:
SíriaBombaRebeldesBashar Al Assad

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.