Ao menos 80 migrantes morrem em naufrágio no Senegal

Um naufrágio com um barco de migrantes africanos deixou ao menos 80 mortos na costa do Senegal, informou a Cruz Vermelha nesta segunda-feira. O desastre, que pode ter acontecido há dez dias, é o último de uma série de acidentes com migrantes africanos que tentam alcançar as Ilhas Canárias, que pertencem à Espanha, em busca de uma porta de entrada para a Europa. O número de vítimas pode aumentar.Cerca de uma dezena de sobreviventes, resgatados neste fim de semana, estão internados em um hospital de Saint Louis, no norte do Senegal. A cidade é a única que possui um serviço de emergência capaz de receber as vítimas fora da capital, Dacar. Do lado de fora do hospital, parentes dos sobreviventes falavam sobre a pobreza que todos os anos força milhares de africanos a colocarem suas vidas em risco na arriscada viagem. "Se ele aceitou os riscos, é porque viu a situação em que seus familiares estavam", disse Awa Sow, cujo filho Souleymane sobreviveu ao naufrágio. "Eu rezei por ele. Talvez isso o tenha permitido voltar."Segundo Ass Seck, da Cruz Vermelha espanhola, o número de mortos ainda é preliminar, e pode ser ampliado assim que as entrevistas com os sobreviventes acabarem. Ainda não está claro se algum corpo foi recuperado.10 dias à derivaDe acordo com relatos de pescadores que resgataram cerca de duas dezenas de sobreviventes no sábado, havia cerca 150 pessoas no barco. Fontes de segurança confirmaram o salvamento de ao menos 24 pessoas. Dos resgatados, a grande maioria estava desidratada e subnutrida, após dias à deriva.O barco - uma pequena embarcação de pesca - deixou a cidade de Djiffer, no sul do Senegal, no último dia quatro. A cidade está a 300 quilômetros de Saint Louis. Segundo funcionários do hospital para onde as vítimas foram levadas, o barco virou ao menos duas vezes, lançando vários passageiros ao mar. O barco ficou à deriva por cerca de 10 dias antes de naufragar. Durante esse período, os sobreviventes ficaram sem comida e água. Os barcos de pescadores que deixam a costa da África em direção às Ilhas Canárias costumam levar de 40 a 50 pessoas. Milhares de imigrantes ilegais chegaram ao território espanhol este ano - a maioria deixando países como Senegal e Mauritânia, na costa oeste africana. Mas centenas morreram nas tentativas, que significam enfrentar longos trechos de mar aberto em barcos fracos e sem proteção.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.