Ao menos 85 presos fogem de penitenciária no norte do México

Segundo autoridades, essa é a maior fuga registrada na história do estado de Tamaulipas

Efe,

10 de setembro de 2010 | 19h33

REYNOSA, MÉXICO- Ao menos 85 detentos fugiram nesta sexta-feira, 10, de uma prisão da cidade mexicana de Reynosa, na fronteira com os Estados Unidos, no estado de Tamaulipas, informaram fontes oficiais.

 

Veja também:

lista Saiba mais sobre o tráfico de drogas no México

 

A fuga aconteceu no Centro de Execuções e Sanções (Cedes) da cidade fronteiriça com o Texas por volta das 4h30 local (6h30 de Brasília) e os presos usaram uma escada para escapar, explicaram em entrevista coletiva o secretário-geral de Governo, Hugo Andrés Araujo, e o titular de Segurança Pública, Antonio Garza García.

 

Essa é a maior fuga registrada na história do estado de Tamaulipas, segundo as autoridades.

 

"No total foram 85 detentos os que escaparam deste centro e, com eles, se foram dois carcereiros", disse García.

 

Após a fuga, segundo o funcionário, todos os carcereiros que estavam de plantão foram postos à disposição da Procuradoria Geral da República.

 

Vários corpos de segurança iniciaram uma operação de busca dos prisioneiros, mas até agora nenhum deles foi resgatado.

 

García, quem assumiu na terça o cargo de titular da Secretaria de Segurança Pública de Tamaulipas, disse que, ao longo deste ano, 201 prisioneiros fugiram de prisões desse estado no nordeste do México.

 

As autoridades de Tamaulipas, um dos estados mais violentos do México, acreditam que as fugas maciças de presos decorrem da guerra entre os cartéis do Golfo e Los Zetas, envolvidos com narcotráfico nessa região do país.

 

Este último grupo criminoso é apontado como responsável pela chacina de 72 imigrantes em um rancho de Tamaulipas no fim de agosto.

 

Desde que o presidente Felipe Calderón assumiu o poder, em dezembro de 2006, e declarou guerra contra o narcotráfico, mais de 28 mil pessoas morreram em ações relacionadas ao crime organizado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.