Andrew Caballero-Reynolds/Reuters
Andrew Caballero-Reynolds/Reuters

Ao menos duas explosões ocorrem antes da eleição no Sri Lanka

Incidentes reportados pelo Exército não deixaram feridos; guerrilha afirma ter detonado quatro bombas

Efe,

26 de janeiro de 2010 | 07h33

Pelo menos dois artefatos explodiram na madrugada desta terça-feira, 26, no norte do Sri Lanka, sem causar vítimas e danos materiais, horas antes de começar a votação para as eleições presidenciais, informou uma fonte militar.

 

O porta-voz do Exército, Udaya Nanayakkara, informou que duas bombas de gasolina explodiram em uma estrada na península de Jaffna por volta das 4 horas pelo horário local (20 horas da segunda-feira em Brasília), três horas antes da abertura dos colégios eleitorais.

 

O diretor da plataforma Campanha por Eleições Livres e Justas, Keerthi Tennakoon, disse que houve quatro fatos violentos durante o dia. Em declarações à Efe, Tennakoon informou que em Jaffna, onde a participação às 11 horas locais (3 horas de Brasília) era inferior a 10%, foi registrado um ataque com granadas de mão.

 

Foram registrados também fatos violentos menores na localidade ocidental de Gampaha, no distrito central de Matale, e na zona de Hambantota (sudeste do país), onde o presidente e candidato à reeleição Mahinda Rajapaksa depositou seu voto.

 

Entretanto, o site Tamilnet, ligado à derrotada guerrilha tâmil, assegurou que durante a madrugada explodiram mais de quatro bombas e foram ouvidos vários tiroteios perto dos centros de votação na cidade de Jaffna, capital cultural dos tâmeis do Sri Lanka.

 

Nesse mesmo município, um grupo de homens com a cara coberta lançou pedras contra o escritório do parlamentar da Aliança Nacional Tâmil (TNA), Suresh Premachandran, no começo da manhã, acrescentou esta última fonte.

Tudo o que sabemos sobre:
Sri Lankaeleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.