Ao menos quatro pessoas morrem em protesto da oposição em Bangladesh

Líder de partido islâmico foi enforcado por ter cometidos crimes de guerra em 1971

O Estado de S. Paulo,

13 de dezembro de 2013 | 09h09

Ativistas da oposição islâmica queimaram carros em ato. Foto: Andrew Biraj / Reuters

DACCA - Ao menos quatro pessoas morreram em Bangladesh nesta sexta-feira,13, quando partidários do líder islâmico Abdul Quader Mollah protestaram com violência contra a execução dele por crimes de guerra cometidos em 1971 na luta contra o Paquistão pela independência.

A decisão de enforcar Mollah, uma importante figura do partido da coalizão oposicionista Jamaat-e-Islami, foi amplamente condenada pelos aliados políticos do líder islâmico e por grupos internacionais de direitos humanos.

Mas muitos cidadãos celebraram a primeira execução na história de Bangladesh de um criminoso de guerra, ocorrida na quinta-feira à noite no Presídio Central de Daca, a capital.

Mollah, apelidado de "Carniceiro de Mirpur" por sua participação em centenas de assassinatos há 42 anos, foi enterrado na madrugada desta sexta em sua aldeia natal.

Partidários de Jamaat incendiaram veículos e casas, saquearam lojas, lançaram bombas artesanais e bloquearam estradas em várias partes do país em protesto pela execução.

Segundo a polícia, dois ativistas da governista Liga Awami foram agredidos até a morte em Satkhira, no sudoeste, nesta sexta. Uma pessoa morreu em confrontos entre a polícia e simpatizantes de Jamaat no distrito de Noakhali, no sul, e um motorista foi morto depois que manifestantes pró-Jamaat o perseguiram. / REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
Bangladeshexecuçãooposição

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.