Kim Min-Hee/ EFE
Kim Min-Hee/ EFE

Novo presidente sul-coreano diz estar disposto a visitar a Coreia do Norte

Moon Jae-in deve ter nesta quarta-feira a primeira conversa telefônica com Donald Trump; mandatário já escolheu os nomes que assumirão os cargos de primeiro-ministro e chefe de gabinete

O Estado de S.Paulo

10 Maio 2017 | 05h54
Atualizado 10 Maio 2017 | 08h06

SEUL - O novo presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, afirmou nesta quarta-feira, 10, que está disposto a visitar Pyongyang. O líder, de 64 anos, é um veterano defensor dos direitos humanos e já havia expressado ser favorável a uma aproximação menos conflituosa com a Coreia do Norte, ao contrário da postura rígida da antecessora, Park Geun-hye.

Após vencer as eleições - que foram antecipadas em razão do impeachment de Park por acusações de corrupção -, Moon prometeu que irá trabalhar pela paz entre as Coreias. “Se necessário, vou viajar a Washington imediatamente”, disse em seu pronunciamento de posse, com relação ao acirramento das tensões com o programa armamentista da Coreia do Norte. “Vou a Pequim e Tóquio, e inclusive a Pyongyang, se as circunstâncias forem adequadas.”

Na política interna, o principal desafio do novo mandatário é enfrentar as consequências do escândalo de corrupção que depôs a antecessora. Apesar da vitória com ampla margem de votos, o país está profundamente dividido.

“Serei um presidente ao alcance do povo”, garantiu em seu discurso. O candidato do Partido Democrático, de centro-esquerda, obteve 41,1% dos votos, com a aprovação de cerca de 13,4 milhões de eleitores. Depois da cerimônia, ele se dirigiu em uma limusine até a Casa Azul, sede da presidência sul-coreana.

O governo de Donald Trump vem afirmando nos últimos meses que a opção militar contra a Coreia do Norte está “sobre a mesa”, o que alimenta os temores de uma escalada nas tensões. No entanto, recentemente, o chefe da Casa Branca suavizou o discurso, declarando que seria uma “honra” se reunir com o líder norte-coreano, Kim Jong-un.

Moon deve ter sua primeira conversa por telefone com Trump ainda nesta quarta-feira, segundo a agência de notícias sul-coreana Yonhap.

Premiê. Moon Jae-in escolheu como primeiro-ministro o governador da Província de Jeolla do Sul, Lee Nak-yong, veterano político e ex-jornalista. Ele também confirmou Im Jong-seok, primeiro-secretário de sua campanha, como seu chefe de gabinete. A nomeação de Lee ainda precisa ser aceita por um comitê parlamentar, mas isso é uma mera formalidade já que a Câmara não tem poder de veto.

O aspirante a premiê, cargo que na Coreia do Sul equivale ao de vice-presidente - o presidente é tanto chefe de Estado como de governo -, foi governador nos últimos três anos da Província de Jeolla do Sul, na região de Honam, reduto liberal onde os conservadores jamais venceram.

Im Jong-seok, engenheiro de 51 anos, é outro liberal de Jeolla do Sul que compartilha com Moon um passado como ativista estudantil e uma vontade de aproximação com a Coreia do Norte. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.