Ao votar, Bush pede que eleitores compareçam às urnas

Ao votar no início da manhã desta terça-feira, o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, pediu aos americanos de todas as orientações políticas que "cumpram sua obrigação" e façam suas vozes serem ouvidas. Bush, que é do Partido Republicano, votou em um quartel do Corpo de Bombeiros perto de seu rancho em Crawford, no Texas, assim que as urnas do estado começaram a funcionar, passando então de apoiador de campanhas para defensor da democracia. "Vivemos em uma sociedade livre, e o nosso governo é tão bom quanto a vontade do nosso povo em participar", disse o presidente em uma breve declaração à imprensa. Ele estava acompanhado de sua mulher Laura, e usava um adesivo escrito "Eu votei" em sua jaqueta. "Sendo assim, não importa qual é a sua afiliação partidária, ou se você não tem afiliação partidária, faça o seu dever, vote, e faça sua voz ser ouvida." Estão em jogo nestas eleições as 435 cadeiras da Câmara de Representantes (deputados), 33 das 100 do Senado, e 36 cargos de governador. Os democratas, por sua vez, esperam finalmente conseguir voltar ao controle do Poder Legislativo, perdido para os republicanos em 1994. "Eu votei pela mudança, exceto pela minha", brincou a senadora democrata Hillary Clinton, ao votar com seu marido, o ex-presidente Bill Clinton, em Chappaqua, Nova York. Mesmo os republicanos reconhecem que os democratas devem se beneficiar nestas eleições, e se preocupam com o fato de que podem perder o controle dos órgãos legislativos. Bush votou no Texas após uma viagem de cinco dias fazendo campanha pelos Estados Unidos, principalmente em redutos republicanos. Se para alguns candidatos republicanos sua presença serviu para atrair as atenções e despertar orgulho, para outros foi um motivo de receio, já que muitos não querem ter suas imagens associadas à de um líder impopular. Charlie Crist, republicano que concorre ao cargo do irmão de Bush, Jeb Bush, no governo da Flórida, não participou de uma aparição pública planejada com Bush em uma sessão de maioria republicana, criando um incidente constrangedor na tarde que precedeu a votação. Bush em campanha Ainda assim, Bush manteve-se firme em seus esforços pela vitória dos republicanos. Quando estava a caminho do colégio eleitoral, o presidente americano comentou em tom de brincadeira que sabia para quem daria seu voto nestas eleições, nas quais está em jogo o controle do Congresso e, portanto, a capacidade de manobra do governo nos próximos dois anos. Bush está consciente de que estas eleições legislativas e locais são um plebiscito sobre sua gestão e sobre sua estratégia na Guerra do Iraque e, por isso, mostrou seu apoio aos correligionários republicanos nesta campanha. Nos últimos cinco dias, o presidente americano fez uma viagem por dez estados, durante a qual participou de vários comícios e atos de apoio aos candidatos de seu partido, inclusive os mais questionados ou polêmicos. A viagem terminou na segunda-feira à noite em Dallas (Texas). A partir desta localidade, Bush e sua esposa foram a Crawford, onde passaram a noite pra votar nesta terça-feira. Após votar, Bush iniciou a viagem de volta a Washington para acompanhar na Casa Branca o desenvolvimento da votação e saber o resultado do pleito.

Agencia Estado,

07 Novembro 2006 | 16h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.