Aos poucos, Chávez vai dobrando a greve geral

Aos poucos, o presidente venezuelano, Hugo Chávez, vai dobrando a greve geral convocada há quase dois meses por uma dividida oposição que tenta removê-lo do poder. Um dia depois de a estatal Petróleos de Venezuela S.A. (PDVSA) ter superado a simbólica marca de produção de 1 milhão de barris por dia - um sinal de recuperação, ainda que distante da produção média de 2,8 milhões de barris diários -, a Associação Bancária da Venezuela anunciou hoje que, a partir de segunda-feira, os bancos do país voltaram a operar em horário integral. Desde dezembro, quando aderiu à greve, os bancos privados vinham operando apenas três horas por dia."A decisão de normalizar o horário se deve às exigências do público e dos correntistas", explicou o vice-presidente da associação, Nelson Mezzerhane. O dirigente acrescentou que arestrição das atividades tinha sido decidida em dezembro "porrazões de segurança, e não por questão política".Pequenas lojas, fábricas e repartições públicas, assim como serviços de transporte, escolas e hospitais do Estado, funcionamnormalmente desde dezembro. Apesar do presidente da Central deTrabalhadores da Venezuela (CTV), Carlos Ortega, insistir que agreve deve continuar até que se obtenha um acordo que permitauma saída eleitoral para a crise política, a paralisação se mantém apenas parcialmente em algumas instalações da PDVSA e nosquatro canais de televisão particulares do país.As emissoras suspenderam a programação normal e a difusão de comerciais e exibem apenas filmes e desenhos animados, além donoticiário - abertamente favorável à oposição - sobre a paralisação. Em reação à posição das TVs, o governo de Chávezestá processando duas emissoras particulares, a Globovisión e aRadio Caracas Televisión (RCTV), que correm o risco de ter a concessão cassada.Se, ao menos por enquanto, não alcançou o objetivo de derrubar Chávez, os dois meses de greve geral lançaram o país no caos econômico. O dólar disparou - de 1.700 para 2.500 bolívaresno mercado paralelo -, forçando o governo a suspender asoperações de compra e venda de divisas estrangeiras e adotar afixação do câmbio. No fim de semana, Chávez anunciou também que adotará um programa de controle de preços, que dispararam nos últimos três dias, enquanto o congelamento não sai.Em meio à turbulência política e econômica, representantes do grupo de Países Amigos para a Venezuela - Brasil, EUA, Chile,México, Portugal e Espanha - se reúnem amanhã em Caracas paraajudar governo e oposição a chegarem a um acordo, em negociações conduzidas pelo secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), César Gaviria.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.