Aparato de defesa leva vantagem mesmo sobre armas sofisticadas

Dos cerca de 900 foguetes e mísseis lançados pelo Hamas em 5 dias de ofensiva, apenas 26 furaram o bloqueio

ROBERTO GODOY, O Estado de S.Paulo

20 de novembro de 2012 | 02h07

A luta dos mísseis e foguetes em Gaza é o resultado de uma escalada tecnológica iniciada em 2008 e longe de terminar: as armas palestinas estão mais sofisticadas, chegam aos alvos e exigem de Israel um sistema especial de defesa - o Domo de Ferro.

O escudo funciona bem. O foguete livre (sem guiagem eletrônica) do Hamas aparentemente é o novo modelo Fajr-5, produzido em sucessivas gerações no Irã há cerca de 20 anos. O alcance da última versão é da ordem de 75 a 80 quilômetros - o suficiente para atingir Tel-Aviv desde posições em Gaza. É o principal objetivo da rede de interdição. Com uma ogiva de 175 quilos pode produzir um efeito devastador.

O Domo de Ferro é a primeira linha de interceptação. Usa mísseis Tamir. Cada um sai por US$ 40 mil - e uma bateria do sistema dispara 60 deles. Preço baixo, se considerada a alternativa, os Arrow-3, muito mais avançados, cotados a US$ 3 milhões a peça. Só um foi utilizado, logo no primeiro dia da ofensiva, contra um solitário míssil pesado, talvez a versão modernizada do velho Scud, soviético, modificado na Coreia do Norte. Os palestinos estão recorrendo à "chuva de fogo", uma salva de armas balísticas e, entre elas, algumas dirigidas, para saturar a defesa eletrônica de Israel. Às vezes dá certo. Dos 900 disparos contabilizados em cinco dias ao menos 26 não foram bloqueados. A destruição foi grande.

Segundo o analista militar Yossi Mekelman, embora o Domo seja apresentado pelo fabricante, a indústria Rafael Defense, como adequado à interceptação de granadas de artilharia de 155 milímetros e de morteiros de 120 mm, o resultado nesses casos "é pouco expressivo". O alcance ideal fica entre 4 e 70 km, altitude de até 10 km. Um sítio integrado, formado por três lançadores e um radar digital, protegeria uma área de 150 km². Israel está investindo US$ 1 bilhão no projeto de desenvolvimento do Domo. Os EUA são parceiros no processo. O governo de Barack Obama destinou US$ 680 milhões para o programa, abrangendo o Arrow-3 no "esforço conjunto".

A Rafael foi ao mercado, e oferece o seu produto para países da Otan em ação no Afeganistão. O preço fica em US$ 50 milhões, fora os mísseis Tamir. É para pronta entrega.

Tudo o que sabemos sobre:
Paz inatingível

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.