Apenas um dos cinco ex-reféns das Farc é eleito

Quatro dos cinco ex-reféns das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) que optaram pela carreira política saíram das eleições legislativas do último domingo no país com suas ambições frustradas. O único candidato bem-sucedido, Jorge Gechem, conseguiu uma vaga no Senado pelo Partido Social de Unidade Nacional, do presidente Álvaro Uribe. Os outros quatro, que se candidataram pela oposição, saíram derrotados.

AP e Reuters, O Estadao de S.Paulo

17 de março de 2010 | 00h00

A mais conhecida deles, a ex-candidata a vice-presidente Clara Rojas, não conseguiu uma vaga no Senado pelo oposicionista Partido Liberal. Clara foi sequestrada com a ex-candidata presidencial Ingrid Betancourt em 2002. Ela teve um filho no cativeiro com um guerrilheiro e foi libertada em 2008.

Clara é uma das ex-reféns mais polêmicas do grupo que passou anos na selva. Alguns companheiros de cativeiro a acusaram de ter colaborado com os sequestradores em troca de regalias, o que ela nega. O episódio de sua gravidez nunca foi esclarecido. Em livro, ela disse apenas que seu parto foi feito em condições precárias. Clara está rompida com Ingrid.

Consuelo González, solta com Clara, também não deve conseguir uma vaga na Câmara. Luís Eládio Perez e Orlando Beltrán, outros ex-reféns libertados em 2008, também foram derrotados. Também fracassou nas urnas Gustavo Moncayo, pai do refém Pablo Emílio Moncayo - único familiar das vítimas a se lançar na política. /

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.