Apertada disputa entre Toledo e García no Peru

As estimativas das últimas pesquisas são de uma tão reduzida diferença de votos entre os dois candidatos presidenciais, Alejandro Toledo e Alan García, no segundo turno eleitoral que se realiza este domingo que ambos reiteraram que respeitarão os resultados - sejam eles quais forem. Os postos eleitorais se abriram às 8h locais para receberem o sufrágio de 14,9 milhões de eleitores no país de 26 milhões de habitantes. Segundo uma pesquisa divulgada na véspera, o economista Toledo obteria 43,4% dos votos contra 38,2% para García, que governou o Peru entre 1985 e 1990. A sondagem do instituto Apoyo disse que a margem de erro está em torno de 2%. "Aceitaremos com resignação a vontade do povo. Não queremos que o país se polarize", disse Toledo, acrescentando que pediria a García "para dar serenidade a nossos seguidores, e aceitar os resultados, sejam eles quais forem". Quase simultaneamente, em entrevista à imprensa, García dizia estar "convencido de que, seja qual for o resultado, será para o bem de nossa pátria... creio que de qualquer maneira haverá um governo de unidade nacional." Ele reiterou o que havia dito nos últimos dias, de que estará às ordens do novo governo para trabalhar em favor desse acordo. "Vote cada um em quem quiser. Não vote em branco. Não anule o voto. Ninguém ganha (com isso), muito menos o país", acrescentou García, num apelo aos eleitores.Foi uma alusão a uma campanha promovida pelos jornalistas Alvaro Vargas Llosa e Jaime Bayly para que os peruanos votassem em branco em protesto contra os dois candidatos finalistas do primeiro turno realizado em abril. É a quarta eleição presidencial em um ano. Os peruanos votaram em dois turnos no ano passado, dos quais resultou reeleito Alberto Fujimori em meio a denúncias de fraude, e voltaram à urnas em abril deste ano após a queda do governante.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.