''Apesar da guerra e do ódio, ainda há esperança''

Segundo cineasta, eleitores tendem para a direita por indiferença e raiva, mas querem tranquilidade para seguir suas vidas

, O Estadao de S.Paulo

07 de fevereiro de 2009 | 00h00

Um dos mais renomados diretores e produtores de cinema e TV de Israel, Eran Riklis, de 54 anos, vê com preocupação a subida da direita nas pesquisas eleitorais. Aclamado em festivais internacionais com filmes como Lemon Tree e A noiva síria - que tem o conflito entre Israel e o mundo árabe como pano de fundo -, ela diz que, apesar do ódio e da violência, ainda há esperança no Oriente Médio. Riklis, que morou no Rio de Janeiro dos 14 aos 17 anos, afirma que seus filmes mostram justamente que a realidade é mais complexa do que se vê no noticiário.Os israelenses parecem tender para a direita nas eleições. Por que?Por indiferença e raiva. Os dois sentimentos são resultado de uma época muito complicada pela qual passamos. A indiferença é fruto do ceticismo em relação aos políticos locais. E a raiva vem da sensação que os israelenses têm de que o mundo não os entende. A guerra em Gaza piorou ainda mais a imagem de Israel no mundo e o povo se pergunta: "Estamos certos e o outro lado é maluco. Por que ninguém nos dá razão?" Acabam tendendo a eleger um candidato durão.O que esperar do futuro num cenário como esse?Apesar da realidade de guerra, de violência e de ódio, há também um grupo - de direita e esquerda - que quer a paz. A pergunta é: como fazer a paz? Do que cada um está disposto a abrir mão? No final das contas, todos que moram aqui - judeus, muçulmanos, cristãos, laicos - querem tranquilidade para seguir suas vidas em paz.O senhor é, então, um otimista...Tenho de ser. Faço filmes e, se não tiver otimismo, não terei motivação para continuar. As críticas a Israel afetam seu trabalho? Seus filmes já sofreram algum tipo de boicote?Não. Acho que as pessoas no mundo ainda sabem distinguir entre a cultura de um país e as ações do governo. Sabem que Israel não é uma coisa só.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.