REUTERS/Jason Lee
REUTERS/Jason Lee

Apesar da renovação na cúpula do Partido Comunista da China, presença de mulheres ainda é mínima

Apenas uma mulher faz parte do Politburo, composto por 25 pessoas; no Comitê Central, 10 dos 205 membros são do sexo feminino

O Estado de S.Paulo

25 Outubro 2017 | 09h37
Atualizado 25 Outubro 2017 | 15h08

PEQUIM - A presença feminina continua sendo insignificante após a renovação da cúpula do Partido Comunista da China (PCC), do qual apenas uma mulher faz parte do Politburo, um dos mais altos órgãos reitores compostos por 25 pessoas.

+ Para entender: Partido Comunista da China, ‘o maior partido do mundo’

Sun Chunlan, de 67 anos e líder da Frente Unida, sindicato único do regime, é a única mulher que integra o grupo nomeado durante o 19.º Congresso do PCC, que terminou esta semana em Pequim.

+ Entenda a ampliação da China como potência geopolítica em cinco artigos

Segundo informações do jornal Independent, Sun foi chefe do partido na cidade de Tianjin, região que acabou sendo transformada em um polo financeiro global. O local é um exemplo de sucesso com relação a desenvolvimento na China por ter realizado reformas nas últimas três décadas, além de ter recebido um fluxo massivo de investimento.

A situação indica uma menor representação feminina em relação à configuração do Politburo formada após o último congresso de 2012, quando duas mulheres faziam parte dele: Sun e Liu Yandong, que acaba de se aposentar aos 72 anos.

Nenhuma mulher está na cúpula da liderança do partido e do país, o Comitê Permanente do Politburo, órgão que ao longo da história do partido esteve composto unicamente por homens.

Além do presidente chinês, Xi Jinping, e do primeiro-ministro, Li Keqiang, que se mantêm no órgão, os novos membros são Li Zhanshu, Wang Yang, Wang Huning, Zhao Leji e Han Zheng.

Além disso, apenas 10 dos 205 membros que compõem o Comitê Central são mulheres, razão pela qual a presença feminina segue sendo mínima neste órgão, correspondendo a somente 4,8% do total.

Também é muito escassa a presença de minorias neste órgão do partido, onde apenas 16 membros fazem parte de grupos como o mongol (três membros) e o tibetano (dois membros).

Ainda que Xi tenha defendido em repetidas ocasiões seu compromisso com o desenvolvimento da mulher e da igualdade de gênero, a realidade é que as mulheres seguem sem estar presentes nas altas esferas do poder.

Após o decisivo congresso, Xi segue rodeado de uma grande quantidade de homens nos principais órgãos reitores do PCC: o Comitê Central, o Politburo e o Comitê Permanente. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.