Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
AP Photo/Ariel Schalit
AP Photo/Ariel Schalit

Apesar de alguns disparos, cessar-fogo na Síria tem sido respeitado, diz ONG

Durante as primeiras 15 horas de trégua, que entrou em vigor às 19h de segunda-feira, não foram registradas mortes de civis

O Estado de S.Paulo

13 de setembro de 2016 | 11h44

BEIRUTE - Um cessar-fogo de escala nacional estava sendo respeito em grande parte da Síria no início do segundo dia em vigor nesta terça-feira, 13, de acordo com o Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH).

Foram registrados alguns ataques e disparos nas primeiras horas da trégua na noite de segunda-feira em áreas que incluem a periferia norte de Hama, Ghouta Oriental e o norte de Alepo, de acordo com o grupo que monitora o conflito. Mas aparentemente a violência estava diminuindo e o Observatório disse que nas primeiras 15 horas de cessar-fogo não foram reportadas mortes de civis.

A situação é muito tranquila na cidade, onde é comum caírem foguetes disparados por grupos armados da periferia. Na segunda-feira, algumas horas antes do cessar-fogo entrar em vigor, duas bombas atingiram o município de Mezzeh, causando danos materiais.

A trégua entrou em vigor às 19h de segunda-feira (13h em Brasília). Mediado pela Rússia e pelos EUA, ele representa a segunda tentativa em 2016 de encerrar a guerra civil de cinco anos na Síria.

A Rússia é a principal apoiadora do presidente sírio, Bashar Assad, enquanto os EUA apoiam alguns dos grupos rebeldes que buscam derrubar o líder do poder.

A trégua não inclui grupos jihadistas como o Estado Islâmico (EI) ou o Jabhat Fateh al-Sham, formação anteriormente conhecida como Frente Al-Nusra e que era o braço da Al-Qaeda na Síria até mudar de nome em julho.

Mortes. Pelo menos 301.781 pessoas morreram e mais de duas milhões ficaram feridas na Síria desde o início do conflito, em março de 2011, até o começo do cessar-fogo, informou nesta terça-feira o OSDH.

Segundo a organização, pelo menos 86.692 civis, dos quais 15.099 eram menores e 10.018, mulheres, perderam a vida no território sírio ao longo dos cinco anos de guerra civil.

Além disso, cerca de 48.766 combatentes sírios de facções rebeldes e islâmicas, assim como das Forças da Síria Democrática (FSD) - uma aliança armada curdo árabe - morreram, aos quais se somam 3.593 desertores das forças do regime. Também morreram 52.031 milicianos estrangeiros de organizações radicais, como o EI.

Por sua vez, as fileiras do regime sofreram 59.006 baixas de soldados das forças regulares, 41.564, de combatentes de milícias pró-governo sírias, 1.321, de membros do grupo libanês Hezbollah e 5.163 de milicianos xiitas de outras nacionalidades. O Observatório acrescentou que há também 3.645 mortos de identidade desconhecida.

Os cinco anos de conflito deixaram mais de 2 milhões de feridos e 11 milhões de refugiados em países vizinhos e de deslocados. / REUTERS e EFE

Veja abaixo: Guerra na Síria já deixou mais de 300 mil mortos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.